Trabalhadores da SPDH/Groundforce lutam por melhores salários

mini-20150730spdhNo dia 31 de Julho os trabalhadores da SPDH/Groundforce realizaram uma importante acção de luta no Aeroporto de Lisboa «A Marcha dos Recibos», onde denunciaram o facto de a empresa ter aumentado os seus administradores e directores em valores brutos superiores ao salário de muitos trabalhadores, e simultaneamente recusar o aumento de salários, que estão congelados desde 2009. Caso a administração continue a recusar a satisfação das justas reivindicações, a próxima jornada de luta será uma greve de 48 horas nos dias 30 e 31 de Agosto.

Plenário de Trabalhadores da SPDH/Groundforce decide intensificação da luta pelo aumento salarial

spdh lutaOs trabalhadores da SPDH/Grounforce, reunidos em plenário no dia 15, decidiram intensificar a luta por aumentos salariais recordando que estão há quase 5 anos com os salários congelados enquanto os seus administradores transferem rendas para o accionista privado e se aumentam sucessivamente, com o último aumento, de há cerca de um mês, entre 900 e 3500 euros para os administradores e directores, a ser superior ao salários da esmagadora maioria dos trabalhadores. A Célula do PCP na empresa está activamente solidário com a justa luta dos trabalhadores.

Uma grande jornada de luta no Handling Aeroportuário

mini-20141201 083635Os trabalhadores da SPDH, da Portway e de um vasto conjunto de prestadores de serviços ao handling aeroportuário, estão hoje a realizar uma extraordinária jornada de luta, vencendo a repressão (e são muitas e graves as tropelias cometidas pelo patronato e devidamente documentadas), vencendo a precariedade e todas as formas de chantagem. Centenas de trabalhadores fizeram hoje greve, muitos pela primeira vez, e com níveis extraordinários de adesão nos trabalhadores temporários. O Deputado do PCP, Bruno Dias, esteve junto do piquete de greve onde expressou a activa solidariedade do PCP com a luta dos trabalhadores do handling, e assumiu o compromisso de questionar o governo sobre a resposta da ACT às múltiplas queixas dos trabalhadores, nomeadamente pela violação da lei da greve.

PCP exige explicações para retirada ilegal de propaganda sindical pela PSP

spdhportwaypsp

O PCP exigiu na Assembleia da República explicações para o comportamento ilegal da PSP que se colocou ao serviço da multinacional Vinci para retirar propaganda sindical para a greve do sector do handling marcada para dia 1 de Dezembro na SPDH e na Portway.

Ver Vídeo com a acção ilegal da PSP

Ler Requerimento do PCP em PDF

13 Novembro: Trabalhadores da SPDH/Groundforce dinamizaram nova jornada de luta contra a exploração

spdh13nov14Os trabalhadores da SPDH realizaram hoje uma nova jornada de luta contra a exploração laboral na empresa, com uma greve de 5 horas e uma concentração de trabalhadores (foto) frente à APG, destinada a amplificar o protesto contra a hipocrisia de quem por um lado incrementa as medidas de desregulamentação laboral e por outro tem a preocupação de se cumular de prémios com nomes sonantes  mas totalmente fictícios e ocos.

Trabalhadores da SPDH/Groundforce prosseguem a luta com greve e concentração a 13 de Novembro

mini-CAM00129Os trabalhadores da SPDH/Groundforce, reunidos em plenário a 27 de Outubro, decidiram prosseguir a sua justa luta, com uma greve e concentração da 11 às 16h00 do próximo dia 13 de Novembro. Do Governo, reivindicam o abandono do projecto de degradar ainda mais a precariedade no Aeroporto com a entrada do terceiro operador, e do patronato (grupo Urbanos) reivindicam aumentos dos salários congelados desde 2007, o respeito pelo direito a férias e uma diferente organização dos tempos de trabalho.

SPDH/Groundforce: Luta exige respeito por quem trabalha e pela segurança aeronáutica

20141016 spdhNa concentração hoje realizada no Aeroporto de Lisboa (foto) no quadro da greve na SPDH/Groundforce, os trabalhadores reafirmaram a sua exigência de que a Administração acabe com a punição disciplinar de acidentes de trabalho e exigiram do Governo e do INAC que interviessem para fazer valer as regras sobre a segurança aeronáutica que são muito claras nesse campo.  Uma luta que conta com a activa solidariedade do PCP que na Assembleia da República já colocou o problema por duas vezes.

Ler Requerimento em PDF

SPDH: Trabalhadores em greve contra a repressão e pela segurança aeroportuária

spdh 08Já em Agosto os trabalhadores da SPDH/Groundforce foram obrigados a ir à greve contra a tentativa de despedimento de um trabalhador por ter tido um acidente de trabalho. Face ao sucesso da luta, a Administração recuou e reduziu a medida para 5 dias de suspensão. Mas a questão justamente colocada pelo trabalhadores é que não deve haver lugar a repressão para acidentes e incidentes de trabalho, entre outras razões, porque assim o determinam as regras da segurança aeronáutica, que apontam para a necessidade, isso sim, de todas os incidentes e acidentes serem devidamente reportados e avaliados. O PCP lamenta este comportamento da Administração, lamenta o silêncio comprometido de Governo e INAC e solidariza-se com a justa luta dos trabalhadores da SPDH que hoje realizam uma nova greve.

Requerimentos sobre esta questão colocados em Agosto de 2014 e em Outubro de 2014

PCP solidário com a luta dos trabalhadores da SPDH/Groundforce

20140625 plenario spdhO deputado do PCP Bruno Dias esteve hoje com os trabalhadores da SPDH/Groundforce, que realizavam um plenário na zona de chegadas do Aeroporto de Lisboa. Na ocasião, expressou a activa solidariedade do PCP com a luta destes trabalhadores, por horários mais humanos, contra a privatização do restante capital da empresa e contra a entrada de um terceiro operador (imposição legislativa para alimentar a estratégia do patronato para atacar o preço da força de trabalho através da concorrência e da precariedade).

Contra a exploração, a precariedade e a desestabilização do Sector do Handling

handlingO Grupo Parlamentar do PCP apresentou um projecto de resolução sobre o Sector da Assistência em Escala (Handling) onde se exige o fim das medidas tomadas pelo Governo para desestabilizar o sector e promover a precariedade e a redução do preço da força de trabalho. As medidas governamentais (terceiro operador em Lisboa, novo adiamento do processo de licenciamento, alterações ao seu modelo) encomendadas pelos grandes grupos monopolistas, afectariam particularmente a SPDH/Groundforce, a Portway e a TAP, e os seus milhares de trabalhadores.

Ler Projecto de Resolução em PDF

SPDH/Groundforce: Unidade e Luta em mais uma jornada pelos direitos de quem trabalha!

mini-Piquete SPdH1O Deputado do PCP Bruno Dias esteve hoje com o piquete de greve no Aeroporto de Lisboa, expressando a activa solidariedade do PCP com a justa luta dos trabalhadores da SPDH/Groundforce. Uma luta onde se reivindicam horários de trabalho mais justos e que respeitem as necessidades dos trabalhadores. O PCP lamenta que a Administração da empresa, que até já reconheceu a justeza das reivindicações, continue a revelar-se incapaz de concretizar as alterações necessárias.

SPDH/Groundforce em greve a 24 e 31 de Dezembro

spdhlutEm Plenário realizado no Aeroporto de Lisboa este dia 16 de Dezembro os trabalhadores da SPDH / Groundforce decidiram avançar para a greve nos dias 24 e 31 de Dezembro. Uma luta destinada a resolver o problema da organização do tempo de trabalho, cuja extrema penosidade de horários o patronato já reconheceu mas se recusa a alterar. O PCP expressa a sua total solidariedade com a justa luta dos trabalhadores da SPDH e apela à administração desta empresa privada para que se deixe de adiamentos e satisfaça essas justas reivindicações. (foto arquivo)

Na SPDH/Groundforce, comunistas saudam a luta dos trabalhadores e as suas conquistas

spdh2013agosto1Na sequência de um conjunto de compromissos assumidos pela Administração da SPDH/Groundforce, os trabalhadores decidiram pela não realização da greve que estava marcada para 30 e 31 de Agosto e 1 de Setembro. Em comunicado, a Célula do PCP saúda a unidade e luta dos trabalhadores e alerta para a necessidade de continuarem crescentemente vigilantes e unidos, quer para impôr a concretização dos compromissos agora assumidos, quer para defenderem a Empresa e os direitos da ofensiva reaccionária das troikas.

Ler Comunicado em PDF

Luta na SPdH/Groundforce com grande adesão apesar das ilegalidades cometidas pelo patronato

grevespdh piqA greve de 24 horas da SPDH/Groundforce decorre com uma adesão esmagadora dos trabalhadores efectivos, uma greve que apesar de todas as ilegalidades cometidas pelo patronato está a implicar atrasos em praticamente todos os voos da TAP e restantes companhias assistidas. O PCP expressa a sua activa solidariedade com a justa luta dos trabalhadores por uma regulamentação dos horários de trabalho mais digna e humana e lamenta o comportamento irresponsável e ilegal do patronato, que não só tem fechado a porta à negociação séria com o Sindicato como face à luta está a pugnar pelo caminho da ilegalidade, nomeadamente através de sucessivas tentativas de intimidação e com a convocação de trabalhadores das ETT's para substituir os trabalhadores em luta (ver documento em anexo). O PCP exige a pronta intervenção da ACT, quer no sentido da defesa do direito à greve, quer no sentido de comprovar que a Groundforce continua a recorrer ao falso trabalho de prestação de serviços e exigindo a integração nos quadros da empresa de todos os trabalhadores precários colocados nesta situação.

(Exemplo de circular interna a convocar trabalhadores da ASA e ADECCO para substituir trabalhadores em luta)

Contra a exploração crescente, a luta dos trabalhadores da SPDH é o caminho!

ggspdh2012Face à crescente exploração de que são vítimas, a célula do PCP aponta o caminho da luta aos trabalhadores da SPDH como única alternativa para inverter o processo em curso. Depois de anos de congelamento salarial, depois de uma revisão do seu AE com perdas significativas de direitos e remuneração, agora preparam-se novos cortes com a aprovação do novo Código de Trabalho. Uma grande adesão à greve geral é a resposta que se impõe para travar a crescente exploração dos trabalhadores da SpDH.

Ler Comunicado em PDF