Alerta Vigilante - O Boletim do sector da Vigilância

Alerta vigilante n--6-pgina001

Novo número do Boletim Alerta Vigillante - boletim do sector da Vigilançia do PCP. Neste número publicamos um pequeno estudo com base nos relatórios anuais da segurança privada, as alterações que estão a ocorrer no sector, o que mudou no espaço de 4 anos. Referimos importantes direitos que queremos ver discutidos no sector, fundamentais para a melhoria das condições de vida dos Vigilantes. Noticiamos ainda a luta dos vigilantes que trabalhavam para a DGEEC. E a importância de defender as conquistas do 25 de abril e do dia do trabalhador.

Alerta Vigilante aqui

 

Nova transmissão de estabelecimento, leva novamente vigilantes para uma situação de “Limbo”

IMG 20220329 1603311A alteração contrato de vigilância da DGEEC, fez alterar da empresa Vigiexpert, para a empresa Noite e Dia que ganhou o respetivo concurso. Assim sendo 3 Vigilantes que trabalhavam na DGEEC pela Vigiexpert, ficaram sem o seu posto e sem empresa, mas não estão efetivamente desempregados. Foram transmitidos pela Vigiexpert, mas a empresa Noite e Dia não os aceitou, portanto ficaram no famoso “limbo”, sem emprego, sem indemnização e sem subsídio de desemprego.

Continuar...

Alerta Vigilante - O Boletim do sector da Vigilância

Saiu um novo número do Boletim Alerta Vigilante, o Boletim do sector da Vigilânçia, apelando à convergência da luta de todos os trabalhadores  no próximo dia 20 de Novembro na Manifestação nacional da CGTP, trazendo o que é especifico do sector para a luta, referindo o descontamento que se faz sentir e a necessidade de transformar esse descontentamento em luta organizada. Trás tambem perguntas e resposta para as razões que levaram ao chumbo do PCP do orçamento do Estado para 2022. Referimos as lutas dos vigilantes do Ministério das Finanças. E uma denúncia sobre os problemas dos vigilantes do Metro de Lisboa.

Ver aqui o Boletim

Valeu a pena lutar - Vigilantes da Securitas no Ministério do Trabalho, mantiveram o seu posto de trabalho

vigilancia1-2Foi travado o despedimento encapotado ou transmissão de estabelecimento fraudulenta, que se preparava para deixar no limbo mais 10 vigilantes da Securitas que trabalham no ministério das finanças. Devido à união e luta destes trabalhadores, demonstrada desde o primeiro momento, resistiram a esta injustiça apresentando-se todos os dias ao serviço; chamaram a atenção da comunicação social; pediram a intervenção do sindicato e da ACT, e que tiveram o apoio nomeadamente do PCP para denunciar junto da Assembleia da República esta grave injustiça. Venceram e vão voltar a apresentar-se ao serviço como Securitas. Que sirva de exemplo aos vigilantes, a impunidade destes patrões têm de acabar. A Luta continua!

Resistir contra o despedimento encapotado, na transmissão de trabalhadores entre a Securitas-Ovisegur

IMG 20210713 153052Uma delegação do PCP que contou com a presença da deputada da Assembleia da Republica Alma Rivera, prestou solidariedade para com os vigilantes que trabalham na sede do ministério das finanças,  numa acção de protesto convocada pelo STAD no presente dia.

No dia 1 de Julho, estes vigilantes foram confrontados com uma transmissão de estabelecimento que não garantia os seus postos de trabalho resultando em novo conjunto de trabalhadores empurrados para famoso “limbo”, são transmitidos pela Securitas para a empresa Ovisegur que não os aceita. As conversações entre as várias entidades envolvidas avançaram, mas o protesto mantêm-se convocado para a proxima 3f, caso não se chege a acordo, a luta vai continuar.  Aquilo que trabalhadores pretendem é ver os seus postos de trabalho salvaguardados.

O PCP questionou o Ministro da Finanças, sobre este processo. Para nós é essencial que as empresas da vigilânçia respeitem a lei, e que as entidadas públicas que contratam não se desresponsabilizem.

 

Sessão Pública - Sobre Transmissão de Estabelecimento

 Sesso Publica Cartaz-pgina001

Dia 1 de Junho, 3ª Feira, pelas 18h, realiza-se no salão do Victória, um debate sobre a transmissão de estabelecimento no sector da vigilância, tendo em conta as mais recentes alterações à lei geral do trabalho, os contratos de trabalho em vigor, e a forma como os Patrões deste sector se estão a aproveitar, para restringir direitos, e despedir sem pagar indeminizações.

Alerta Vigilante - Boletim do sector da Vigilância

Alerta vigilante n4-pgina001

Já está em distribuição o novo número do boletim do sector da vigilância, o Alerta Vigilante. Neste boletim, tratámos as questão da necessidade urgente de testagem e vacinação de todos os vigilantes que desempenham funções de linha da frente e que implique contacto com muitas pessoas. Uma análise à alteração à lei geral do trabalho, sobre transmissão de estabelecimento. Destaca-se também as comemorações do 25 de Abril e do 1º de Maio, por fim mas não menos importante um destaque fundamental às comemorações do centenário do PCP. Ver aqui o Boletim - Alerta Vigilante

Lei reforça direitos em caso de transmissão de empresa

Transmisso projectoO PCP congratula-se com o projecto de lei  aprovado no passado dia 11 de Fevereiro na Assembleia da República, este é um projecto conjunto e que visa clarificar a transmissão de empresa, ou seja, a passagem dos trabalhadores de uma empresa para outra quando há perda um concurso de prestação de serviços, passa a estar considerado na lei de forma clara. Assim, a transmissão de estabelecimento aplica-se “por adjudicação de contratação de serviço público ou privado”.
A aprovação desta lei é um importante passo em frente, mas infelizmente para muitos vigilantes é a ponta do iceberg, estando mais que provado que as Associações patronais não têem interesse em reconhecer a transmissão de estabelecimento e servem-se de um contrato coletivo que lhes dá essa possibilidade, a luta será longa e dependerá da correlação de forças entre os trabalhadores e os patrões para que a lei geral do trabalho se sobreponha.

Continuar...

Novo nº do Boletim dos Vigilantes - Alerta Vigilante

 Já saiu o boletim do sector da vigilância. Neste número destacamos a candidatura de João ferreira a Presidente da República, candidato dos valores de abril, e de todos os trabalhadores, ainda a necessidade de um contracto colectivo que defenda direitos dos trabalhadores, aumentar salarios sem cortar direitos, e os efeitos que se começam a fazer sentir da pandamia, com os patrões a aproveitarem-se esta crise.

Podes ler o boletim completo AQUI!

Loomis despede – Os trabalhadores resistem

IMG 20201204 120630Os patrões deste sector e os patrões em geral tendem a achar que democracia termina nos portões das suas empresas, este é só mais um exemplo disso mesmo. Quando a Loomis quis retirar unilateralmente o subsídio de deslocação, os trabalhadores não aceitaram e resistiram, fazendo valer os seus direitos. A Loomis o que fez foi despedir aqueles que não aceitaram a retirada do subsídio de deslocação, ou seja, os trabalhadores que deram a cara e que lutaram estão agora a enfrentar um despedimento coletivo, entre eles, dirigentes e delegados sindicais do STAD. Este despedimento totaliza 30 trabalhadores a nível nacional, incluindo o encerramento da delegação da empresa, em Coimbra.
A empresa aproveitou-se da pandemia, do sentimento de resignação e do medo para alegar razões económicas para o despedimento, e agora com toda a prepotência procura obrigar os trabalhadores a grandes deslocações e a trabalhar um grande numero de horas.

Continuar...