São Vicente. O prenúncio de um excelente resultado para a CDU

 
apresentaçã são vicenteFoi em tom de festa, e com a praça cheia de gente, que a CDU apresentou a sua lista à Assembleia de Freguesia de São Vicente. Ouviam-se os acordes do “Venham mais cinco” de Zeca Afonso, cantando por Alex Monteiro, quando cerca de duas centenas de apoiantes e activistas da CDU tomaram os seus lugares, com o devido distanciamento social e precauções, no Largo da Graça.
 
A condução da sessão de apresentação esteve a
cargo da atriz Marina Albuquerque, moradora na freguesia e candidata na lista da CDU à Câmara Municipal de Lisboa, que sublinhou as potencialidades culturais da freguesia e o orgulho que tem nas pessoas que aí habitam.
 
A primeira intervenção política da tarde foi feita pelo cabeça de lista da CDU à Assembleia de Freguesia de São Vicente, Vítor Agostinho, director executivo da Voz do Operário e pessoa com um grande trabalho em prol das colectividades de Lisboa.
 
O cabeça de lista do CDU na freguesia começou por referir as palavras de Marina Albuquerque sobre a diversidade da lista, em que figuram 14 mulheres e 12 homens, para sublinhar a qualidade da equipa que se apresenta para ser votada e 26 de setembro. “Ando nestas andanças há muito tempo, e tenho a opinião que esta é a lista mais conseguida que já apresentámos aqui na freguesia”.
 
Vítor Agostinho referiu que todo o processo de preparação da lista tem sido mobilizador. “Todas as reuniões têm tido uma enorme participação e entusiasmo, com cerca de 30 a 40 pessoas em cada reunião”.
 
A mobilização é, segundo o candidato, o forte indicador de um excelente resultado no final de Setembro. “Temos um bom conjunto de homens e mulheres que têm conseguido contactar com muita gente o que é um bom prenúncio que vamos ter uma grande campanha”.
 
O objectivo da CDU em São Vicente é ambicioso: “Vamos dar a volta a isto. Alterar a correlação de forças em São Vicente e ganhar a freguesia”.
 
Vítor Agostinho lembrou que os últimos executivos da Junta pouco têm feito em prol da população da freguesia. E sobretudo não têm ouvido as populações e defendido os seus interesses.
“Muitos moradores estão preocupados com a especulação imobiliária. Sabemos que só com um município forte é possível travar os especuladores. Mas a Junta de Freguesia tem a obrigação de se pôr ao lado dos moradores, independentemente de quem comanda a cidade ou manda no país.”
 
O candidato apontou para o antigo quartel da GNR, situado no largo, e comentou: “ Mesmo aqui ao lado, vai ser construído mais um hotel, em vez de casas a preços acessíveis para as pessoas”.
 
Para o cabeça de lista da CDU a São Vicente é preciso mudar a correlação de forças na freguesia, dar mais força à CDU, para que a Junta oiça os moradores e com o apoio dos fregueses e do movimento associativo e popular se vão resolvendo os problemas da população.
 
“Nós temos propostas para a habitação, mobilidade, ambiente e espaços públicos, mas a nossa primeira acção vai ser ultrapassar o divórcio existente entre a Junta, a Câmara e as pessoas. Temos que ouvir as pessoas e os moradores”.
 
 
Prontos para colher os frutos
 
No final da apresentação, falou João Ferreira, candidato da CDU à presidência da Câmara Municipal de Lisboa, que sublinhou a vitalidade desta sessão de apresentação de candidatos.
“Esta belíssima iniciativa que se organizou hoje só pode, como disse o Victor Agostinho, um bom prenúncio para aquilo que aí vem e ao trabalho que toda a gente que foi apresentada vai fazer. E como dizia o Alex, quando cantou uma música do Luís Portugal, hoje foi uma espécie de semear aquilo que há de vir e que vamos com toda a certeza colher daqui a alguns meses ”.
 
João Ferreira concluiu que, tanto na campanha, como na acção da CDU, a capacidade de ouvir as pessoas e de mobilizar a população é fundamental para poder transformar a cidade.
“A CDU quer mobilizar forças e vontades para vencermos a distância entre a cidade que temos e a cidade que queremos. É possível erguer uma governação democrática capaz de construir uma Lisboa viva, bela e justa.”, disse.