Parque das Nações. A apresentação de uma lista de mulheres e homens que não estão sós

 
Parque das NaçõesFoi junto à estátua do Homem Sol que foi apresentada a lista da CDU à Junta Freguesia do Parque das Nações. O local escolhido foi simbólico, como explicou o cabeça de lista da CDU, Jorge Alves.
 
Uma escolha que se deve à centralidade do local, em relação aos vários pontos da freguesia, mas sobretudo uma chamada de atenção sobre a necessidade de preservar a cidade e o seu património.
 
“Nós estamos por baixo de uma estátua simbólica da nossa freguesia, a estátua do Homem Sol, uma produção de José Vieira, que morreu exactamente no ano em que ela foi inaugurada. E não é por acaso que fazemos esta apresentação aqui. Fazemos porque é um símbolo importante da arte pública, mas também como alerta da necessidade da sua promoção, manutenção e conservação. É uma boa forma de prestar homenagem à arte e de lembrar que ela tem de ser cuidada e trabalhada por uma autarquia local muitas vezes ausente nesta tarefa”, disse o cabeça de lista da CDU na freguesia do Parque das Nações.
 
Jorge Alves enumerou, também, a acção dos eleitos da CDU no último mandato e o muito que há que fazer para resolver os problemas existentes, como a degradação dos espaços públicos, as dificuldades de estacionamento, as acessibilidades complicadas e a falta de segurança. E ainda o facto de se estar numa freguesia em que o rio não pode ser usufruído pela maioria da população.
 
O cabeça de lista da CDU à Junta de Freguesia do Parque das Nações elogiou a diversidade, competência e empenhamento dos seus companheiros de lista. “Permitam-me referir algumas coisas sobre a nossa lista: 34% têm menos de 40 anos e 26% são candidatos pela primeira vez. A eles e a elas muito obrigado por caminharem juntos connosco, com a confiança que farão parte de um grande colectivo, em que não é só o cabeça de lista que importa. Todos juntos damos força ao projecto da CDU. O desafio, o apelo e o convite que vos faço é que tragam mais gente para termos uma freguesia melhor. Vamos ao trabalho”, disse.
 
A sessão de apresentação terminou com a intervenção do candidato da CDU à presidência da Câmara Municipal de Lisboa, João Ferreira. O actual vereador do PCP começou por elogiar a lista que foi apresentada. “Ficou claro, nesta breve intervenção do Jorge, o conhecimento profundo que ele e outros que o acompanham têm em relação aos problemas da freguesia”, salientou.
João Ferreira voltou a sublinhar o muito que está por fazer para melhorar a freguesia e a cidade, conseguindo, com a participação das populações, enfrentar de frente os graves problemas com que Lisboa se debate. “A freguesia do Parque das Nações e a cidade podem ser diferentes. É este o exercício que vos convido a fazer. Se olharmos sobre o que foi e é a cidade de Lisboa, em questões como direito à habitação, mobilidade e qualidade dos transportes, qualidade do espaço público e do ambiente urbano, direito de cada um de nós aceder à cultura ao lazer e ao desporto. Se fizermos esse exercício, não é difícil concluir que estamos muito aquém o que cada um de nós desejaria”, garantiu.
 
A cidade de todos contra a Lisboa dominada pela especulação
 
O candidato da CDU à presidência da Câmara Municipal de Lisboa referiu que nestas eleições há uma escolha fundamental que os lisboetas podem fazer: deixar a cidade nas mãos da especulação imobiliária ou escolherem uma nova política que coloque as populações e a resolução dos problemas da habitação no centro da acção autárquica. “Lisboa é uma cidade onde é cada vez mais difícil que aqueles que aqui querem viver o possam fazer, devido aos preços que atingiram as habitações. É incomportável para muitos daqueles que aqui viveram desde sempre e para aqueles que estudando e trabalhando em Lisboa gostariam de cá viver. Lisboa sofreu uma espiral de especulação imobiliária pondo em causa o direito à habitação que a nossa Constituição consagra. Este é um dos sintomas de uma cidade que foi deixada nas mãos dos especuladores imobiliários”, afirmou.