Contra a destruição da REFER e da EP, PCP presente na Concentração de Trabalhadores em Santa Apolónia

20160120 105925Realizou-se na manhã do dia 20 de Janeiro uma concentração de trabalhadores da REFER e das Estradas de Portugal (foto), promovida pela Comissão de Trabalhadores da Infraestruturas de Portugal (empresa resultante da fusão forçada da REFER com a EP). A acção, que contou com a participação e activa solidariedade de um conjunto de organizações (CT da IP, CT da CP, CT da EMEF, CT da CP CARGA, FNSTFPS, FECTRANS, SINTAP, SNTSF, SINFB, SNAQ, SINAFE, SINDEFER) decidiu marcar um plenário frente ao Ministério das Infraestruturas para o próximo dia 3 de Fevereiro caso o Governo continue a apostar na continuação da política do PSD/CDS de destruição do sector ferroviário e degradação da rodovia.

Cumplicidade do Governo com a precariedade tem que acabar!

emefprecariedadeNa EMEF, já vale tudo! São pelo menos 4 as empresas de trabalho temporário a fornecer trabalhadores precários à empresa, e as prestadoras de serviço vão crescendo como  cogumenlos, ao mesmo tempo que se externalizam funções. Para poupar uns cêntimos em salários gasta-se milhões em subcontratações. Este foi o resultado da política do anterior governo, mas o actual já leva tempo suficiente para ter alterado este estado de coisas, e antes dá todos os sinais de estar confortavelmente sentado a assistir à precariedade e à exploração. O PCP confrontou o Governo com estas questões no requerimento que aqui se reproduz.

Ler Requerimento em PDF

Mentiras, erros e omissões na estória contada sobre o aluguer de comboios a Espanha

aluguernovasespanholasA prática de aluguar comboios a Espanha começou à quatro anos, assente na desculpa de ser uma coisa provisória. Mas cada vez se aluga mais sucata a Espanha, em vez de planificar as necessidades, planificar a sua satisfação e programar a máxima incorporação nacional no processo. Para mais, a CP mente descaradamente quando tenta justificar estes alugueres, como o demonstra o requerimento entregue ao Governo pelo PCP, exigindo uma outra política para o sector.

Ler Requerimento em PDF

Sede da CP: Continua o Regabofe com o património público?

sedecpO Grupo Parlamentar do PCP já havia alertado, com uma pergunta escrita, o Governo a 15 de Dezembro de 2015 sobre o que estava a ser planeado por Manuel Queiró, administrador da CP. O Governo nada disse e, pelos vistos, nada fez para evitar esta negociata com um património público e ferroviário, cuja venda não trará qualquer vantagem (excepto para o Grupo Pestano ou outro comprador do estilo). O PCP exige que o Governo anule esta venda, hoje oficialmente anunciada, e já com data marcada para ser concretizada: 1 de Fevereiro.

Ler Requerimento do PCP apresentado em Dezembro

Trabalhadores da CP Carga em São Bento contra a privatização!

2016cpcargaconcentracaoUma delegação alargada das Comissões de Trabalhadores da CP e da CP Carga, da FECTRANS e do SNTSF, realizaram hoje uma importante concentração junto à residência oficial do 1º ministro (foto), em luta contra a privatização da CP Carga e exigindo que o governo responda às muitas questões que têm colocado ao negócio. Aguardando as respostas do Governo, anunciaram já uma nova jornada de luta para 28 de Janeiro, para a qual está entregue um pré-aviso de greve para a CP Carga. O PCP expressou a sua activa solidariedade com a luta destes trabalhadores.

PCP contra a privatização da CP Carga

cpcargacrimeO PCP divulgou hoje uma Nota de Imprensa condenando a intenção declarada pelo Governo de avançar com a privatização da CP Carga, sublinhando que esse processo atenta contra o interesse nacional, contra a soberania nacional, é fragmentador do sector ferroviário e aliena um sector estratégico. Razões de peso que deveriam ter levado o Governo a reverter o turvo processo conduzido pelo Governo PSD/CDS, que além do mais, implica a venda por 2 milhões de uma empresa capitalizada em mais de 116 milhões na véspera da sua entrega à multinacional.

Ler Nota de Imprensa em PDF

Mais próxima a plena reposição do direito ao transporte roubado pelo Governo PSD/CDS a milhares de trabalhadores, reformados e seus familiares

concessoes2Foi hoje aprovada na Assembleia da República a proposta de resolução do PCP (que aqui reproduzimos) que determina o fim do roubo do direito ao transporte contratualizado com os ferroviários e demais trabalhadores dos transportes. Esta medida, imposta em 2013, roubava um direito que, no caso dos ferroviários, tinha mais de um século, e não acrescentava qualquer receita para o Estado, tratando-se simplesmente de um acto de mesquinhez e vingança contra os trabalhadores que mais resistiam à política de roubos que desde 2011 estava a ser imposta. Mas a luta constante (nesta questão, com os ferroviários em destaque) acaba por impor o fim do roubo deste direito, que pode assim ser plenamente exercido já a partir do próximo dia 1 de Janeiro.

Ler Projecto de Resolução aprovado

PCP presente no Fórum Ferroviário «CP/EMEF: Regresso ao futuro!»

foto forum ferroviario dez 2015Promovido pelas Comissões de Trabalhadores da CP e da EMEF realizou-se o Forum Ferroviário «CP/EMEF: Regresso ao Futuro!». O PCP esteve representado pelo deputado Bruno Dias, que valorizou o papel dos trabalhadores no controlo de gestão das empresas e no construir de um futuro melhor para o país. O PCP comprometeu~se a levar à Assembleia da República o essencial das questões desenvolvidas no Documento de Trabalho sobre a construção, reparação e manutenção de material circulante que as duas CT's  levaram ao forum, e que aqui reproduzimos.

Ler Documento de Trabalho em PDF

PCP questiona Governo sobre delapidação da sede da CP em Lisboa

vendacpduqueO PCP questionou, através do seu Grupo Parlamentar, o Governo sobre a delapidação em curso do património público ferroviário, desta vez sobre a oferta da Sede da CP a um grupo de especuladores. Uma negociata agravada pelo facto de estar a ser realizada sem cumprir a lei e sem atender minimamente às necessidades da empresa.

Ler requerimento em PDF

PCP exige fim do roubo do direito ao transporte dos ferroviários e demais afectados

roubosacabarO anterior governo, por via do Orçamento de Estado, havia roubado o direito - nas empresas públicas - ao acesso gratuito ao transporte a reformados, trabalhadores e familiares. No dia 1 de Janeiro o Orçamento de 2015 deixa de estar em vigor, e o PCP questionou o Governo sobre as medidas práticas que estão a ser tomadas para devolver esse direito nessa data. Paralelamente, e cumprindo um compromisso assumido, o PCP apresentou na Assembleia da República um Projecto de Resolução destinado a eliminar definitivamente o roubo do direito ao transporte dos ferroviários e demais trabalhadores do sector dos transportes.

Ler o Requerimento e o Projecto de Resolução apresentados

Está nas mãos dos trabalhadores travar a fusão da REFER e da EP

referep 2015novO PCP está a distribuir aos trabalhadores da REFER e da EP um comunicado onde apresenta o seu projecto-lei para travar a fusão destas duas empresas públicas, e onde sublinha que nestas questões, como em outras justas reivindicações que devem ser objecto de luta, está nas mãos dos trabalhadores concretizar as potencialidades abertas com a derrota de PSD/CDS nas eleições de 4 de Outubro.

Ler Comunicado em PDF

PCP toma iniciativa para a reversão da fusão da REFER com as Estradas de Portugal

referep plO PCP apresentou hoje na Assembleia da República um projecto-lei para reverter a criminosa fusão da REFER com as Estradas de Portugal. Esta fusão, rejeitada pela esmagadora maioria dos trabalhadores e técnicos de ambos os sectores (rodovia e ferrovia) promove a degradação operacional e da seguranla para o aprofundamento de uma política que coloca o Estado português completamente nas mãos das multinacionais, autêntico livro de cheques em branco para pagar as PPP, as subconcessões e as subcontratações, ao mesmo tempo que aliena empresas, património e todo o tipo de activos.

Ler Projecto-Lei em PDF

PCP apresenta iniciativa na Assembleia da República para travar a privatização da CP Carga

cpcarga plO PCP apresentou hoje um projecto-lei onde propõe o imediato cancelamento do processo de privatização da CP Carga, apontando as razões estruturantes desse necessidade - o carácter estratégico do transporte ferroviário de mercadorias e a necessidade de reunificar a operação ferroviária numa única empresa pública - e denunciando a forma como se tentou impor esta privatização, delapidando recursos públicos em favor de uma multinacional.

Ler Projecto-Lei em PDF

Plenário de Ferroviários em São Bento exige fim dos roubos e do ataque ao sector ferroviário

mini- MG 3671Realizou-se hoje frente à Assembleia da República um Plenário de Ferroviários. Os ferroviários rejeitaram a continuação de uma política derrotada nas urnas e exigiram o fim dos roubos  nos salários, nas reformas e nos direitos, e uma política de defesa e valorização do sector que comece, no plano imediato, pela travagem da privatização da CP Carga e pela reversão da fusão da REFER e da EP. O deputado do PCP Bruno Dias interveio na iniciativa reafirmando o compromisso do PCP de apresentar essas iniciativas legislativas e expressando a solidariedade com a luta dos ferroviários. 

PCP recebe «novos dados» das ORT's sobre a CP Carga e reafirma compromisso de travar a privatização

mini-cpcarga pcp 20151029O PCP recebeu as Comissões de Trabalhadores da CP e da CP Carga, e o SNTSF, que se deslocaram à Assembleia da República para entregar aos Grupos Parlamentares os dados mais recentes referentes à forma como o anterior Governo PSD/CDS tratou a privatização da empresa, nomeadamente os dados referentes à prévia capitalização da CP Carga em mais de 116 milhões para a vender por 2 milhões- dados contidos na terceira carta enviada por estas estruturas ao Tribunal de Contas. O PCP reassumiu o seu compromisso de tudo fazer para travar esta privatização e de avançar com uma iniciativa legislativa rapidamente, destacando as razões de fundo para esse combate, nomeadamente o combate à entrega dos sectores estratégicos da economia às multinacionais e a defesa de um sector ferroviário uno, nacional e público.

Ler Carta enviada ao Tribunal de Contas pelas CT's da CP e da CP Carga