Boletim Maio Transportes - Dia 30 Maio todos na luta

Editorial - Dia 30 Maio todos na luta

Trabalhadores dos Transportes vamos em 30 Maio aderir e participar em massa na Greve Geral, vamos dizer não à profunda degradação das nossas condições de vida e de trabalho que se tem verificado como resultado da política de direita que os sucessivos governos do PS PSD e CDS-PP têm desenvolvido ao longo dos últimos 30 anos em claro beneficio do grande capital e dos seus interesses e que atingiu particular violência e profundidade com o actual Governo do PS.
As razões para fazermos ouvir o nosso descontentamento e protesto estão na realidade marcada pelas crescentes dificuldades com que um cada vez maior número de portugueses se confronta no seu dia a dia.

Realidade, que não é fruto dum acaso, ou de uma fatalidade, mas sim o resultado da política de direita, que tem na redução dos nossos salários reais, na ofensiva no contra os nossos direitos, na destruição do nosso aparelho produtivo e dos postos de trabalho, no aumento do custo de vida e nas privatizações, os instrumentos de uma politica de classe desenvolvida por diferentes governos do PS, PSD, CDS-PP, em favor dos interesses do grande capital.
É assim que hoje em Portugal com o governo do PS aprisionado aos interesses do grande capital, os lucros da, dos cinco principais bancos a EDP, SONAE, GALP, PT, crescem escandalosamente atingindo em 2006, 5,3 mil milhões de euros ou seja mais de 10.000 euros por minuto, só e os da banca e companhias de seguros atinjam mais 37% que no anterior.

Enquanto os trabalhadores e a generalidade do nosso povo sentem crescer as desigualdades e injustiças socais, como resultado da redução dos seus salários reais e das pensões e reformas, com os salários dos trabalhadores a pesarem hoje no PIB apenas 37,4%, quando em 1975 atingia 59% (o valor mais alto de sempre), com o desemprego aumentar pelo 6.º ano consecutivo atingindo em Dezembro mais de 614 mil trabalhadores dos quais 50% são de longa duração, cresce a precariedade com mais de 657 mil trabalhadores com vínculos precários, e no aumento do custo de vida cresce a pobreza no nosso país atingindo hoje cerca de ¼ da população da qual 1/3 são trabalhadores.

Os resultados desta politica e das suas opções são em si mesmo o mais claro e contundente libelo acusatório da política de direita, sendo simultaneamente a mais clara demonstração que o objectivo que visam atingir é o do aumento dos lucros e poder do grande capital, como o demonstra o contínuo e escandaloso crescimento dos lucros da banca e dos grandes grupos económicos.

Como se isto não bastasse para se fazer ouvir bem alto o protesto dos trabalhadores, o governo do PS respondendo às exigências patronais, prepara-se para a coberto da Flexisegurança tentar impor uma revisão da Legislação laboral que daria ao patronato o poder despedir sem justa, e impor de forma arbitrária alterações aos horários de trabalho, carreiras, funções e remunerações instaurando a lei da selva nas empresas e uma ainda maior exploração dos trabalhadores.

Pelos nossos direitos e interesses de classe, pelo nosso futuro, por outro rumo para o nosso país, vamos todos em 30 Maio aderir á Greve Geral.

Boletim Informativo – Maio 2007 – Organismo de Direcção do Sector dos Transportes da OR Lisboa do PCP