PCP exige reposição da legalidade na CP Carga

cpcarga.jpgO PCP levou à Assembleia da Republica a violação dos direitos dos trabalhadores da CP Carga, perpetuada pela Administração da Empresa quando tentou limitar o acesso dos seus trabalhadores aos direitos previstas na lei. E em concreto, questionou o Governo sobre a cobertura que deu e dá a esta atitude de uma Empresa tutelada pelo Ministério dos Transportes.

Ler Requerimento em PDF

Desenvolvimento da Rede do Metro: Não à demagogia, Sim à responsabilidade!

Durante o anterior período eleitoral, diversos membros do Governo e do PS anunciaram e prometeram o alargamento do Metropolitano até Carnaxide e Oeiras, Queluz, Loures e Vila Franca de Xira. Depois das eleições, o Governo "mudou" de opinião, dizendo apostar na expansão da Rede dentro da Cidade de Lisboa. Fica a clara ideia que o Governo e o o PS utilizaram a expansão da rede do Metropolitano de Lisboa como "arma" eleitoral", em acções de profunda demagogia.

Só que perante a importância do tema para o Distrito, o PCP recusa que esta questão não seja tratada com uma outra responsabilidade e respeito pelos cidadãos e pelos trabalhadores da empresa, questionando o Governo sobre todo este processo.

Ler Requerimento em PDF

PCP interpela Governo sobre cobertura política à repressão à CT da SPDH no Aeroporto

O PCP avançou na Assembleia da República com um requerimento dirigido ao Ministro dos Transportes, que tutela a SPDH, sobre o inaceitável e anti-democrático comportamento da Administração da SPDH, que em violação da lei e dos acordos assumidos - e por razões políticas - diminuiu os direitos dos trabalhadores da Empresa e da sua CT. O PCP expressa assim também a sua activa solidariedade com a CT da SPDH na sua justa luta em defesa dos direitos dos trabalhadores da Empresa. (Na foto, acção dos trabalhadores da SPDH na greve de Agosto, apoiada pela CT).
 

Luta pela contratação colectiva na Fertágus

fertagusluta.jpgNa continuação da luta pelo direito à negociação colectiva na FERTAGUS, dirigentes e delegados sindicais do SNTSF desenvolveram esta semana uma nova acção de protesto, para exigir o cumprimento do direito constitucional à negociação colectiva. Uma luta que conta com a activa solidariedade do PCP, que denuncia mais este exemplo de como o patronato está a aproveitar o Código do Trabalho do PS para bloquear a contratação colectiva e intensificar a exploração dos trabalhadores.

PCP aos Motoristas de Mercadorias: Unidade e Luta na defesa da Contratação Colectiva

mini-imagem0039.jpg

Integrada na Campanha Nacional do PCP em curso, está em distribuição aos Motoristas de Mercadorias o Boletim de Fevereiro / Março. Aí, se aborda a situação da contratação colectiva, com a patronal a tentar intensificar a exploração no sector, e com o apelo do PCP à unidade e luta da classe, como único caminho para defender e reforçar direitos. Na foto, distribuição em Aveiras de Cima hoje de manhã.

Ler Boletim "O Motorista" de Fevereiro/Março 2010 em PDF

PCP expõe a exploração nas Lojas Francas de Portugal e apela à luta!

lfp.jpgEm 2009 as Lojas Francas de Portugal recusaram qualquer aumento aos seus trabalhadores, "por causa da crise". Em carta aos trabalhadores em Janeiro de 2010 o patronato reconheceu os brutais lucros tidos em 2009 (9 milhões de Euros para um universo de 332 trabalhadores), e informa ter decidido "dar" 1,5 % de aumento em 2010. O PCP expõe toda a hipocrisia desta postura num comunicado aos trabalhadores das LFP, onde apela à luta por aumentos salariais dignos.

 

Ler Comunicado em PDF

Carris: PCP contra a demagogia do Governo, pelos direitos dos trabalhadores!

capa_carrisbustur.jpgA Célula do PCP na Carris prossegue a sua acção. Damos aqui nota do comunicado em distribuição aos trabalhadores da CarrisBus e CarrisTur, no quadro da campanha nacional do PCP, onde se apela à luta contra o bloqueio da contratação colectiva nestas empresas pelo Governo, e de um requerimento onde o Grupo Parlamentar do PCP desmascara a demagogia da resposta do Governo à questão que o PCP não se cansará de denunciar: como explica o Governo que haja numa empresa pública uma discriminação dos membros das ORT's como a que se pratica na Carris?

Ler Comunicado aos trabalhadores da CarrisBus e CarrisTur

Ler Requerimento nº2 sobre a Liberdade Sindical na Carris

Contratação Colectiva na CarrisBus e CarrisTur: bloqueio liminar expõe verdadeiras intenções do PS

As administrações da CarrisBus e da CarrisTur bloquearam toda a contratação colectiva na Empresa, ao recusarem as propostas apresentadas pela FECTRANS, e recusarem mesmo trabalhar um AE com base no da Carris de onde estas empresas resultam. Fica assim exposto novamente que a conversa do Governo PS sobre a aposta na contratação colectiva aquando da discussão do Código de Trabalho era só mesmo isso: conversa. Pois até nas empresas tuteladas directamente pelo Governo o Código está a ser usado para bloquear a contratação colectiva. O PCP apresentou na AR requerimentos ao Governp sobre esta questão, mas não tem ilusões que é na luta - e só na luta - que os trabalhadores destas empresas conquistarão o direito à contratação colectiva.

Ler Requerimentos ao MTSS e ao MOTCOP ,

PCP avança com Projecto-Lei para revogar as alterações aos Estatutos do Metropolitano de Lisboa

Na sequência das alterações introduzidas em Junho de 2009 aos Estatutos do Metropolitano de Lisboa, o PCP de imediato apresentou o pedido para a sua apreciação parlamentar, que no entanto não se verificou. Passados estes meses, com os escândalos e suspeitas crescentes sobre a Administração das Empresas Públicas, entende o PCP ser ocasião para recolocar a questão na Assembleia da República, desta vez com um decreto-lei que propõe a revogação das alterações introduzidas, que na opinião do PCP governamentalizam a fiscalização da empresa, e afastam trabalhadores e CM Lisboa da participação que detinham anteriormente.

Ver Projecto-Lei em PDF

PCP questiona Governo sobre as Condições de Trabalho na Linha do Oeste

O PCP questionou o Governo sobre as condições de trabalho na linha do Oeste, na sequência de um levantamento realizado nas Estações de Mafra, Pero Negro, Dois Portos, Sabugo e Outeiro da Cabeça, pelo SNTSF, e onde foram detectadas situações como: esquentadores colocados sem saída de gases, degradação extrema do mobiliário, instalações sanitárias e do pessoal à chuva, acesso às agulhas pelo lamaçal, inexistência de água canalizada, estuque a cair. (em Ler Mais, algumas fotos ilustrativas).

 

Continuar...