Por Mais e Melhores Transportes Públicos - é preciso optar pelo povo

tp covid19 maiO PCP alerta para a necessidade de as medidas de desconfinamento serem seguidas de um aumento muito significativo da oferta de transportes públicos, necessidade que já se fazia sentir antes da crise provocada pelo COVID 19 e que é agravada pelas novas condições para uma circulação em segurança. Um aumento de oferta que tem que ser imediato, e que pode ser imediato, mas que tem que ser igualmente lançando agora as medias que poderão resolver o problema a médio prazo. Um comunicado onde ainda se alerta para a necessidade de oferecer máscaras aos utentes e de acabar com o lay-off em algimas empresas privadas de transporte público. E se recorda que os 850 milhões oferecidos aos donos do Novo Banco pagavam todas as medidas reivindicadas pelo PCP para os próximos  4 anos!

Ler Comunicado em PDF

PCP continua a exigir intervenção do Governo nos ataques ao Porto de Lisboa

O PCP confrontou o Governo com a continuidade do ataque ao Porto de Lisboa e aos seus estivadores. Desta vez sobre a formação que decorreu no processo de contratação dos recentes trabalhadores que o patronato procura que substituam os estivadores da A-ETPL, que, para além de não ter sido ministrada pelas Empresas de Formação que normalmente o fazem, foi uma “apressada formação”, insuficiente para a aquisição das competências necessárias, nomeadamente para acautelar o risco de acidentes. Já decorreram neste contexto, nos últimos dias, designadamente na empresa Liscont, várias situações anómalas e mesmo acidentes.

 
 

Continuar...

Projecto-lei para a recuperação do controlo público da TAP e da SPdH/Groundforce

 

O PCP apresentou um projecto-lei para a recuperação do controlo público do Grupo TAP e da empresa de assistência em escala SPdH/Groundforce. É hoje claro que o capital privado não irá salvar a TAP, e que esta será destruída se nada for feito pelo Estado. Sendo indispensável o controlo efectivo destas empresas pelo Estado, na defesa do interesse nacional e dos direitos dos trabalhadores destas empresas, a proposta do PCP preconiza a adopção de uma posição maioritária pelo Estado no seu capital, e a recuperação integral de todos os direitos sobre a gestão que essa maioria deve implicar, independentemente das formas jurídicas que venham a ser assumidas.

Ler aqui o Projecto-Lei

Contra os despedimentos na Carristur!

O PCP denuncia mais uma vez os despedimentos, por via da não renovação de contratos , de dezenas de trabalhadores da Carristur (motoristas e promotores de vendas), de empresas de trabalho temporário subcontratadas, vários deles há anos a laborar nesta empresa. A precariedade é inadmissível, tal como o pretexto da pandemia para despedir trabalhadores. O PCP interveio na Câmara Municipal de Lisboa e na Assembleia da República a repudiar esta situação e a exigir medidas. 

PCP em acção de contacto com o sector do táxi

taxi1taxi2

O PCP distribuiu e divulgou um comunicado de solidariedade aos profissionais do táxi perante a difícil situação que estão a viver, exigindo e apresentando propostas para o reforço de apoios.

Acto Público de Solidariedade com os trabalhadores do Sector aéreo

Accoes-01

O PCP irá realizar um acto público de Solidariedade com os trabalhadores do sector aéreo. Dia 23 de Abril, 5ª Feira entre as 11.30h e as 13h frente ao terminal de chegadas do terminal 1. Juntam-se neste acto solidário o deputado Bruno Dias e Armindo Miranda da Comissão Política do PCP.

Ler AQUI comunicado dirigido aos trabalhadores do Aeroporto Humberto Delgado. 

Urge defender o sector do táxi!

Táxi lisboa 1O surto epidémico COVID 19 expõe com maior clareza e agrava ainda mais as fragilidades do Sector do Táxi decorrentes da acentuada quebra no transporte público de passageiros e de sucessivos governos não darem resposta efectiva no sentido do desenvolvimento e modernização deste sector, que abrange milhares de profissionais e suas famílias.Importa lembrar que muitos trabalhadores do Sector do Táxi, cujo salário provinha da prestação de serviços que deixaram de ter, ficaram em muitas situações sem rendimentos devido à frágil protecção social que a sua situação laboral significa, havendo trabalhadores em desespero total, ficando em casa porque não há recursos. 

É enorme a forma como afecta ainda os pequenos industriais do táxi, as pequenas empresas ou as cooperativas do sector. Neste sentido, uma vez mais defendendo o sector do táxi, o PCP apresentou várias propostas no sentido de mitigar esta grave situação, que divulga num comunicado dirigido a estes profissionais.

Ler aqui comunicado

Acção de propaganda do PCP no Aeroporto de Lisboa

foto kline1Hoje teve lugar na zona circundante do Aeroporto Humberto Delgado a afixação de cartazes do PCP de solidariedade com os trabalhadores do sector aéreo. Esta acção insere-se num conjunto de tomadas de posição públicas que as organizações do PCP no sector têm vindo a assumir contra a aplicação da lay -off a mais de 15 mil trabalhadores e a consequente redução do seu salário em 33%, contra as reduções de salários em 20% a cerca de 3 mil trabalhadores e contra os despedimentos em curso, por via da não renovação de contratos de trabalho a prazo, que podem atingir 5 mil trabalhadores. O PCP apela à resistência e luta dos trabalhadores contra estes ataques! E afirma que estes podem contar com a solidariedade, denúncia e acção do PCP!

PCP denuncia ataques aos trabalhadores das rodoviárias privadas

No distrito de Lisboa, à semelhança do panorama nacional, a generalidade das rodoviárias privadas de passageiros avançam com a aplicação de layoff, como é já o caso das pertencentes ao grupo Barraqueiro Transportes, da Scotturb ou da Rodoviária de Lisboa. O Sector dos Transportes editou um comunicado onde repudia a penalização de centenas de trabalhadores, que irão sofrer um corte significativo nos seus salários, depois de em muitos casos terem sido forçados a férias nesta altura. Medidas como o layoff não servem para proteger o emprego, como refere o Governo e outros partidos, mas sim para salvaguardar os lucros de grandes grupos económicos como a Barraqueiro. É urgente resistir e lutar!

Ler aqui o comunicado

Vinci com Milhões e trabalhadores da Portway com cortes salariais!

Comunicado AHD PortwayMais de 1700 trabalhadores da Portway foram as mais recentes vítimas. A administração da Portway, detida pela multinacional Vinci, anunciou que do total dos seus 1744 trabalhadores, 1204 entram imediatamente em lay-off. Há ainda 511 trabalhadores que continuam a trabalhar, mas com um corte salarial de 20% no vencimento. Em comunicado, a célula da Portway no Aeroporto de Lisboa afirma: impõem-se a intervenção imediata do Governo para pôr fim a este ataque aos trabalhadores!

Ler aqui o comunicado