Novo Banco/Tranquilidade: Trabalhadores da Banca e dos Seguros em defesa dos postos de trabalho

O SINAPSA (Sindicato Nacional dos Profissionais de Seguros e Afins) e o SINTAF/CGTP-IN (Sindicato dos Trabalhadores da Actividade Financeira) realizaram hoje, dia 15 de Outubro, uma tribuna pública em frente à sede do Novo Banco onde largas dezenas de trabalhadores afirmaram a sua intenção de elevar a luta em defesa do NovoBanco e Tranquilidade "como empresas autónomas sob controlo público" e a "conservação de todos os postos de trabalho e cumprimento efectivo de todos os instrumentos de regulamentação colectiva de trabalho em vigor". Numa iniciativa que contou com a participação e intervenção do Secretário-Geral da CGTP, Arménio Carlos, recordou-se que a anunciada intenção do Governo é vender a Tranquilidade a "preço de saldo" a um fundo  que tem como objectivo "comprar, despedir, retalhar e vender com mais-valias" colocando em causa o futuro dos 1.560 trabalhadores da seguradora". Em relação ao Novo Banco, o SINTAF afirmou estar contra "qualquer solução que passe pela redução dos quase sete mil postos de trabalho".