Sobre o falecimento de António Galhordas

Faleceu o camarada António Galhordas. Médico, tinha 83 anos.

 

Profissional de méritos reconhecidos, homem de grande coragem e determinação. Toda a sua vida foi pautada pela dignidade e coerência na luta por uma sociedade mais justa. António Galhordas integrou na Faculdade de Medicina de Lisboa, em 1953, a lista progressista vencedora para a Direcção da Associação de Estudantes o que levou ao encerramento da sua sede pela PIDE.

 

Tendo estabelecido contacto com o PCP em 1957 desempenhou, nesse período, um papel destacado na luta do movimento que levou à feitura do Relatório sobre as Carreiras Médicas. Desde aí e até ao 25 de Abril de 1974 fez parte dos órgão dirigentes da Ordem dos Médicos, encerrada pela PIDE/DGS em 1973, tendo sido reaberta já em plena liberdade a 30 de Abril de 1974.

 

Destacada figura do movimento da oposição democrática à ditadura fascista desempenhou nesse quadro corajosa e qualificada intervenção na luta pela liberdade e a democracia, António Galhordas foi um dos mais importantes activistas da CDE e do MDP-CDE. 

 

Após o 25 de Abril, integrou o 1º Governo provisório, como Secretário de Estado da Saúde. 


Foi membro da Comissão Política do MDP e deputado na Assembleia da República. Foi Eleito na Assembleia Municipal de Portel, onde exerceu a presidência deste órgão em sucessivos mandatos. Foi dirigente da Voz do Operário.


Integrou e acompanhou a acção política da Associação Intervenção Democrática, tendo participado activamente no quadro das coligações eleitorais FEPU, APU e CDU. 

 

Em 2001 aderiu ao PCP estando actualmente organizado no Sector da Saúde da Organização Regional de Lisboa.