Abandono ou má gestão do espaço público É urgente a reabilitação do Bom Retiro

Há falta de investimento da Câmara Municipal junta-se o desinteresse da Junta de Freguesia, de maioria PS, pela manutenção e conservação do mobiliário urbano e das áreas públicas.

 

 

No caso do Bom Retiro, um dos aglomerados urbanos mais populacionais da freguesia, é evidente o elevado estado de degradação deste aglomerado habitacional, onde se destacam os problemas da falta de estacionamento, da conservação dos passeios e caminhos, das zonas verdes, do mobiliário urbano, entre outros. Durante a visita de eleitos da CDU, muitos foram os problemas colocados por alguns moradores do Bom Retiro.

A população merece mais

Como exemplo desta degradação, na Rua Abel Salazar, as marcas de desleixo do espaço público são mais que evidentes. Por um lado, o marco de identificação toponímica não tem placa de identificação da Rua, tendo a mesma sido recolocada debaixo de uma varanda de difícil visualização. No entanto o marco que ali foi colocado para esse efeito, encontra-se ao abandono. No lado oposto o passeio não existe, tendo sido substituído por um lancil com lamaçal da parte de dentro.

Urbanizações inacabadas tornam-se regra

O antigo Lugar do Casal das Lameiras, no cimo da Rua Francisco Pereira Vitorino, deu lugar há cerca de 7 anos a mais uma urbanização.
Passado este tempo todo, os passeios da urbanização continuam por acabar, as sarjetas sem grelhas de protecção, as condutas de esgotos sem tampas (e estas nunca foram furtadas, pois nunca existiram), as ruas não se encontram alcatroadas.
Os moradores, para acederem às suas casas e garagens, têm de passar por cima de passadiços, uma vez que ainda não existem nem os passeios, nem as rampas de acesso ás garagens. Torna-se ainda mais complicado quando chove, deixando aquela zona num autêntico lamaçal.
Os acessos a esta urbanização servem também a EB1 ali existente, tornandose perigoso para as crianças que por ali passam.

Onde estão os passeios envolvente à Escola Secundária


Os “passeios” que circundam a Escola Secundária Professor Reynaldo dos Santos, não oferecem as mínimas condições de segurança para quem tem de utilizar aquele percurso. Junto à rede da escola secundária não existe passeio e do outro lado existe um caminho, que quando chove, se transforma num verdadeiro lamaçal com poças de água, por onde ninguém consegue circular. Para quando esta urgente construção?

Manutenção e criação de novas zonas verdes

Há falta da manutenção e conservação do mobiliário urbano e das áreas públicas por parte da Junta de Freguesia, como anteriormente descrevemos, junta-se também a falta de intervenção nas áreas de lazer e zonas verdes existentes, bem como a criação de novas.
Os jardins e os espaços verdes que ainda existem no Bom Retiro parecem ter os dias contados. Os que existem, não têm regularmente manutenção,
acabando por se degradarem ao longo do tempo, enquanto outros têm sido substituídos por cimento pintado de verde, como acontece na Torre de Cima e Capelas.
Também o parque infantil prometido pela Junta para esta zona continua à espera da sua concretização.
Tendo sido já levantado pelos eleitos da CDU na Assembleia de Freguesia e Câmara Municipal, a gestão do PS continua a ser a mesma. Pensamos que este é um caminho errado e que contribui para piorar ainda mais a qualidade de vida das populações do Bom Retiro.

Perigo de derrocada no Casal do Caracol

Junto à entrada do Casal do Caracol no Bom Retiro, têm-se verificado deslizamentos de terras aquando da ocorrência de chuvadas. Foram colocadas barreiras de sustentação, tendo ficado a sua colocação inacabada, pois não foi até ao limite do terreno em risco.
Esses deslizamentos de terra têm danificado o piso da calçada de acesso ao Casal, bem como colocado em perigo bens e pessoas que moram na zona e que por ali circulam.

2.238.053 eleitores deram a vitória ao SIM!


A freguesia e o concelho de Vila Franca de Xira deram um importante contributo no resultado alcançado no referendo da Despenalização da Interrupção Voluntária da Gravidez. A vitória do SIM constitui uma afirmação de valores progressistas e civilazicionais, uma manifestação de tolerância e respeito pela convicção de cada um e de todos os portugueses, uma importante vitória da mulher e do direito à defesa da sua dignidade e saúde. A vitória do SIM afirma-se como um iniludível acto democrático e de liberdade, que honra os valores e património de Abril.