Nota de Imprensa: Sobre o Plano de Urbanização para a Área do Aeroporto de Cascais e sua Envolvente (PUACE)

O Plano de Urbanização da Área do Aeroporto de Cascais e sua Envolvente (PUACE), cujos Termos de Referência se encontram em fase de apreciação pública, merece por parte da Comissão Concelhia de Cascais do PCP, um profundo repúdio, por tudo o que de prejudicial poderá significar para a população do concelho e, em particular, para os habitantes da zona envolvente do, agora designado, Aeroporto de Cascais.

Um Processo que teve, desde logo, a oposição do PCP mas que a maioria PSD/CDS quer impor às populações, apresentando para apreciação pública apenas um conjunto de declarações de intenção, onde não constam quaisquer documentos referentes à justificação técnica das áreas do Aeroporto de Cascais e sua envolvente a submeter a medidas preventivas e a ser alvo de Plano de Urbanização que a Câmara pretende concretizar.

Num tempo em que, em nome da preservação do ambiente, da qualidade de vida das populações e da própria segurança das aeronaves, se impõe a necessidade de diminuir drasticamente o tráfego aéreo e de se deslocarem as infra-estruturas aeroportuárias para locais mais distantes das áreas habitadas, a Câmara de Cascais, invocando falaciosamente a descarbonização, entre outras realidades, mantém inalterada a sua posição habitual no que toca a questões ambientais, recusando os novos paradigmas ligados ao ordenamento do território e à melhoria da qualidade de vida.

O historial de tentativas de alargamento do aeródromo de Tires, por parte do PSD na Câmara de Cascais, já vem de longe, e o objectivo anunciado de desviar todo o movimento de aviação executiva do aeroporto de Lisboa trará, se concretizado, um incremento de tráfego inevitável que implicará um profundo agravamento dos índices de poluição do ar e de poluição sonora (a qualquer hora do dia e da noite), bem como, um exponencial aumento dos factores de risco para a segurança da população.

Entretanto, e ainda sem o PUACE, sucedem-se as queixas dos moradores da área envolvente sobre o aumento da poluição e dos estragos provocados pelos motores a jacto dos aviões que cada vez mais têm utilizado esta infra-estrutura sem que se tomem as correspondentes e necessárias medidas de minimização dos impactes ambientais associados.

O PCP confirma que, uma vez mais, estará ao lado das populações na luta contra este projecto da Câmara de Cascais, PSD/CDS/Carreiras, em defesa da qualidade de vida das populações, do ambiente e do desenvolvimento sustentável.

Cascais, 7 de Fevereiro de 2020

A Comissão Concelhia de Cascais do Partido Comunista Português

ler nota de imprensa em PDF

ler documento em distribuição em PDF

 

Presidente da Câmara de Cascais (PSD) tenta silenciar o PCP

CMCascaisNa reunião de Câmara, do passado dia 26 de Janeiro, o vereador comunista, Clemente Alves, voltou a interpelar o Presidente da Câmara de Cascais sobre as notícias vindas a público que contrariam as afirmações de Carlos Carreiras e confirmam que o actual vice-presidente da Câmara de Cascais, Miguel Pinto Luz, utilizou os serviços da empresa NEXTPOWER na sua candidatura à liderança do PSD. Lembramos que se trata de uma empresa que, ao longo dos últimos anos, realizou vários contratos com a Câmara, e com empresas municipais, sendo o último contrato assinado em pleno período de campanha à liderança do PSD, levantando, por isso, suspeitas legítimas sobre a origem do financiamento da campanha de Miguel Pinto Luz. Perante a confirmação da empresa usada por Miguel Pinto Luz o Presidente da Câmara de Cascais, Carlos Carreiras, cortou a palavra ao vereador comunista, por diversas vezes, numa clara tentativa de silenciar o PCP.

Continuar...

Cascais: "POR UMA GESTÃO PÚBLICA DO HOSPITAL DE CASCAIS, PELO FIM DA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA (PPP)"

Cartaz HospitalA Comissão Concelhia de Cascais do Partido Comunista Português está a iniciar uma campanha de esclarecimento e mobilização dos utentes e trabalhadores do Hospital de Cascais sobre os problemas e prejuízos da parceria público-privada dessa unidade hospitalar e da necessidade de garantir o retorno do Hospital de Cascais à gestão pública.

Inicia-se esta campanha com acções de esclarecimento, em todo o Concelho, e com o lançamento de um abaixo-assinado a exigir o fim da PPP do Hospital de Cascais e a reversão da sua gestão para a esfera pública; aidentificação das carências de profissionais (médicos, enfermeiros, técnicos de saúde, assistentes administrativos e operacionais), procedendo à respectiva contratação e substituição das subcontratações e vínculos precários por contratações com vínculo público efectivo;um adequado financiamento que atenda às necessidades da população, no qual se incluem medidas de reforço dos meios humanos, financeiros e materiais; e o fim do parqueamento pago no Hospital de Cascais;

Continuar...

PCP desmascara Câmara de Cascais e a sua campanha de “autocarros gratuitos para todos”

scotturb403Na reunião da Assembleia Municipal de Cascais do passado dia 27 de Janeiro o PCP, através do deputado municipal José Carlos Silva, denunciou a falsa e dispendiosa campanha propagandística que a Câmara de Cascais lançou neste início de ano.

Continuar...

Sobre a reunião de Câmara de Cascais de 14 de Janeiro de 2020

CMCascaisNa reunião de Câmara do passado dia 14 de Janeiro o PCP, através do seu vereador Clemente Alves, interrogou o executivo sobre as notícias vindas a público que põem em causa a relação existente entre a Câmara de Cascais e a empresa NEXTPOWER que assegurou a comunicação e assessoria da candidatura de Miguel Pinto Luz, vice-presidente da Câmara de Cascais, à liderança do PSD. Em causa estão os vários contratos assinados entre a Câmara e a referida empresa. Em particular, um contrato assinado a 17 de Dezembro de 2019, em plena campanha à liderança do PSD, com a empresa municipal Cascais Próxima. Um contrato de 75 mil euros que Carlos Carreiras, Presidente da Câmara de Cascais, afirmou não ter tido conhecimento e que terá sido anulado após as referidas notícias terem vindo a público, na véspera desta reunião de Câmara. Se a comunicação social levantou suspeitas, as respostas do Presidente da Câmara apenas conseguiram adensar as dúvidas sobre todo este processo.

Continuar...