Lisboa, Situação é insustentável, PSD deve provocar eleições

Situação é agora insustentável - PSD deve provocar eleições

Segundo todos os indicadores, Carmona Rodrigues, Presidente da CM, será ouvido na próxima semana no DIAP na condição de arguido no chamado «caso Bragaparques».

Para o PCP este momento era inevitável e previsível.

A questão é demasiado séria para que as instâncias judiciais nada fizessem.

Foi aliás o PCP que, nos primeiros dias de Agosto de 2005, participou às instâncias competentes a situação deste «negócio ruinoso».

Serenidade e clarificação

Num momento destes, de tão evidente gravidade, impõem-se da parte de uma força política responsável duas atitudes: serenidade e clarificação.

Para o PCP, que apela à máxima serenidade de todos os intervenientes, as vias de saída desta crise em benefício dos cidadãos de Lisboa passam por uma clara responsabilização do PSD por tudo o que está a acontecer e por um apelo ao PSD para que provoque eleições, agora que se esboroa a equipa e não há condições de cumprimento de um resto de mandato com os mínimos de eficácia.
 
Carmona Rodrigues diz que fica

Carmona Rodrigues, ontem directamente questionado pelo PCP sobre se é arguido ou não, deixou entender claramente que pretende levar o mandato até ao fim.

A questão é que, na actual situação de esboroamento da sua equipa, não se vêem condições de espécie alguma para que a CML se aguente neste plano inclinado.

Eleções são a saída

O PCP está disponível para qualquer saída credível.

A este propósito, o PCP reitera o que já antes foi publicamente garantido por Ruben de Carvalho:

«Jamais será por causa dos eleitos do PCP que tal saída não será possível. Jamais será por causa de eleitos do PCP que esta desgraçada maioria do PSD se manterá no poder».

Responsabilidade primeira é do PSD

A situação concreta de gravíssima crise política paralisante da gestão em que a Câmara de Lisboa está mergulhada é, em primeira linha, da responsabilidade do PSD. Deve por isso o PSD criar com toda a urgência as condições para a saída da crise.

Deve o PSD, designadamente, avançar de imediato para eleições.

Não que o PCP pense que eleições significam solução – entre outras razões porque são só intercalares e só para a CML –, mas as eleições são uma saída desta situação insustentável.    

O silêncio dos dirigentes do PSD não abona nada em seu favor e não clarifica a situação.

Lisboa, 27 de Abril de 2007

Inauguração Provocatória do Túnel do Marquês

Visita ao túnel do Marquês a pé marcada para a mesma hora da concentração do Desfile do 25 de Abril

Carmona Rodrigues e maioria PSD na CML ignoram o Desfile do dia 25 de Abril

A «inauguração» do túnel do Marquês pelas entidades convidadas pelo Presidente da CML e pela maioria PSD da Câmara realizar-se-á amanhã cerca das 15 horas. A «comitiva» iniciará um percurso a pé pelo túnel, com início nas Amoreiras, que acabará no Marquês de Pombal precisamente à hora em que ali decorre a concentração da qual parte o desfile comemorativo do 25 de Abril de 1974 que desce a Avenida da Liberdade.

Por outro lado, foi anunciado que, após essa «inauguração» pelas «entidades», o túnel estará aberto «à população» até ao fim da tarde.

Se no primeiro caso a deliberada confusão entre um acto oficial e uma manifestação popular no mesmo local e à mesma hora configura uma quase confrontação política, o convite à «visita da população ao túnel», antes da sua abertura ao trânsito automóvel, exactamente no mesmo horário em que decorrem as comemorações populares se apresenta como uma tão risível quanto condenável tentativa de diversão.

Para além das posições críticas que sustentou quanto a esta obra (sendo de sublinhar que, na véspera da inauguração, continua a ignorar-se o seu custo exacto e mesmo o rigor da sua segurança), o PCP condena a forma como a inauguração assume, por responsabilidade da maioria PSD da Câmara e do seu presidente, um carácter politicamente afrontoso das comemorações populares de uma data com o profundo significado democrático do 25 de Abril.

Lisboa, 24 de Abril de 2007

Lisboa, Suspensão Transporte Crianças Mobilidade Reduzida

Assembleia Municipal de Lisboa
PCP faz Requerimento sobre a

Suspensão do Transporte Adaptado para Crianças com Mobilidade Reduzida


«O Transporte Adaptado, serviço fundamental para crianças com mobilidade reduzida foi suspenso no passado dia 9 de Abril.
Esta suspensão e a ausência de planificação, de forma a que os utentes saibam com o que contam, tem provocado graves transtornos nas famílias.

Nestes termos, e ao abrigo da alínea f) do Nº 1 do Artº 4º do Regimento da Assembleia Municipal, vimos por este meio solicitar a V. Exa. que peça à Câmara que informe quando prevê retomar este serviço».


Requerimento enviado à Presidente da AML