Campanha "Valorizar os Trabalhadores"

trabalhadores posto limpeza garridas201810A Organização do PCP de Benfica distribuiu o documento inserido na campanha "Valorizar os Trabalhadores", no Posto de Limpeza das Garridas, estabelecendo contacto com os trabalhadores que ali se encontravam, aferindo das dificuldades que estes encontram face às condições de trabalho e da política nacional, apelando também para a greve de 26 de Outubro marcada pela Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública e a Manifestação Nacional da CGTP de 15 de Novembro.

Aprovada a recomendação do PCP na AML – Dar início ao processo de revisão do Plano Director Municipal de Lisboa

 

Natacha Assembleia municipaPlano Director Municipal de Lisboa - Adequar este importante instrumento de planeamento municipal às necessidades de Lisboa.

 

O Plano Director Municipal de Lisboa (PDML) de 2012, teve na sua concretização consequências negativas sobre o planeamento e a vida da cidade, que podemos verificar em 2018, nomeadamente:

 

O afastamento da intervenção da Assembleia Municipal no planeamento da cidade, a desprogramação dos usos da cidade, a promoção

Continuar...

PS, PSD e CDS, votam contra a moção apresentada pelos Vereadores do PCP na CML relativamente à defesa do sector do Táxi

 

TáxisNa proposta apresentada é referido que o sector do táxi exige que os veículos a operar para as multinacionais estejam sujeitos a um contingente determinado pela autarquia - deveria corresponder a uma necessidade da própria autarquia face às consequências da liberalização decidida pela Assembleia da República.

 

A luta do sector do táxi contribui para clarificar a injustiça desta lei, sendo amplamente reconhecido que a Lei 45/2018 é injusta e desleal, que criou dois regimes para uma mesma actividade económica e que a sua entrada em vigor colocará em risco milhares de postos de trabalho e centenas de empresas do sector do táxi.

 

A Câmara Municipal de Lisboa não pode ficar indiferente à luta do sector do táxi, perante uma lei que vale só para alguns. Não é uma questão de tecnologias, nem de modernidade, é uma questão de legalidade. A lei tem de ser igual para

Continuar...