Adesão esmagadora dos trabalhadores do Metro à greve de hoje

Os trabalhadores do Metro de Lisboa realizam hoje uma nova jornada de luta em defesa da contratação colectiva, contra o roubo dos salários e contra a privatização da empresa. O PCP expressa a sua solidariedade com a justa luta destes trabalhadores, e apela ao reforço da luta contra este Governo e pela ruptura com a política de declinio nacional em curso. 

No Metro, a luta continua!

Os trabalhadores do Metro realizam hoje uma nova jornada de luta, com uma greve de 24 horas que está a paralizar a circulação ferroviária. Esta luta, além das reivindicações centrais que têm animado a luta na empresa - resistir a privatização, defender a contratação colectiva e combater os roubos no salário e pensões - apresenta a particularidade da denúncia do comportamento da direcção da Exploração Operacional da empresa, que tem multiplicado os comportamentos provocatórios contra os trabalhadores. O PCP exige que o Governo pare o processo de degradação e privatização do Metro de Lisboa, e respeite os direitos dos trabalhadores e dos utentes.

No Metro, a luta continua! Hoje com um Plenário e Marcha da Sede à Sidónio Pais

mini-20141205metrolutaOs trabalhadores do Metro realizaram hoje um plenário frente à Sede da Empresa na Barbosa do Bocage, tendo depois desfilado até à Fontes Pereira de Melo, outra sede da empresa, tendo destacado que os dois edifícios estão a ser esvaziados para serem vendidos, mas vendidos para pagar swaps e não para assumir as responsabilidades do Metropolitano para com os utentes e os trabalhadores. A Marcha concluiu na Sidónio Pais onde se encontra a sede da EO, com o objectivo de denunciar o comportamento arrogante, ilegal, incompetente e mesquinho do director da EO.

Centenas de Reformados do Metro em gigantesco plenário reafirmam: contra o roubo dos complementos, a luta continua!

20141203 reformadosmetroForam centenas os reformados do Metro de Lisboa que hoje se reuniram em plenário no PMO III na Pontinha (na foto). No plenário aprovaram a resposta a apresentar ao Governo e decidiram prosseguir a luta exigindo o pagamento dos complementos de reforma que o governo está a roubar. Presente na iniciativa, o Secretário-Geral da CGTP-IN, Arménio Carlos, saudou a unidade e determinação demonstrado por mais esta acção de luta, e expressou a confiança que mais cedo que tarde o Governo será obrigado a recuar.

Trabalhadores do Metro recusam fazer greve com os serviços mínimos impostos, e denunciam a ilegalidade e irresponsabilidade

mini-MetrorecusasminimosOs trabalhadores do Metro foram chamados a enfrentar uma decisão ilegal e irresponsável do Tribunal Arbitral do CES, que impôs a realização de serviços mínimos que implicavam a mobilização de quase 100% dos trabalhadores operacionais da empresa (podia fazer greve quem estava de folga e os administrativos) e ignorava a irresponsabilidade que representa uma oferta reduzida a 25%, criando situações de insegurança inaceitáveis com átrios sobrelotados e alta tensão no carril). Respondendo ao apelo das suas organizações sindicais, os trabalhadores decidiram que assim não fariam greve e apresentaram-se ao trabalho, tendo no entretanto anunciado novas jornadas de luta. Tentando intoxicar a opinião pública, os pantomineiros da Administração mantiveram todo o dia a informação de que se estava a realizar uma greve, com a desculpa que os Sindicatos não haviam retirado formalmente o pré-aviso de greve. O PCP saúda o sentido de responsabilidade dos trabalhadores do Metro e lamenta a irresponsabilidade da Administração e do Governo. A luta continua!

Contra o roubo dos complementos, reformados do Metro prosseguem a luta!

20141111refmetroOs reformados do Metropolitano de Lisboa realizaram hoje um plenário na Baixa-Chiado, seguida de uma deslocação à Secretaria de Estado dos Transportes (foto). Reivindicam o fim do roubo do complemento de reforma que o Orçamento de Estado para 2015 volta a introduzir. O PCP, activamente solidário com a luta contra o roubo dos complementos de reforma já apresentou na Assembleia da República uma proposta no sentido de retirada desse roubo do Orçamento de Estado. 

Trabalhadores do Metro prosseguem luta com greve a 13 de Novembro

plenmetro29outOs trabalhadores do Metro, hoje reunidos num imponente plenário realizado no PMO3 (foto), decidiram prosseguir a sua luta em defesa da contratação colectiva, contra os roubos nos salários, e contra o processo de privatização em curso. Recusaram ainda as tentativas de desestabilização da empresa que o Governo e o seu Conselho de Administração tem levado a cabo. Decidiram assim marcar uma greve de 24 horas para o próximo dia 13 de Novembro.

Mentir parece uma patogenia contagiosa nas trupes Governamentais

metrodesinPerante a greve dos trabalhadores do Metro a administração da empresa adoptou um comportamento inédito mas em linha com a postura a que este Governo - e seus boys - já habituaram o nosso povo: começou a mentir aos utentes, estando até às 22h00 divulgando que a greve só se iniciaria às 6h30, quando sabia perfeitamente que às 23h15 teria de encerrar o Metro, como aconteceu. Este comportamento, que provocou transtornos em muitos utentes, é de uma enorme gravidade, e foi justamente questionado pelo PCP na Assembleia da República.

Ler Requerimento em PDF

Metro: Prossegue a justa luta dos trabalhadores do Metro em defesa da Empresa, dos Utentes e dos Direitos

Os trabalhadores do Metro constroem hoje uma grande jornada de luta, uma greve de 24 horas que está a paralizar a circulação desde as 23h30 de ontem. Uma luta justa - contra os roubos a trabalhadores e utentes para entregar milhões aos banqueiros, aos especuladores e às multinacionais que querem explorar o sistema. O deputado do PCP David Costa expressou junto do piquete de greve a activa solidariedade do PCP com a luta dos trabalhadores do Metro e o repúdio pelo comportamento da Administração que apenas às 22h45 deu informação aos utentes que o Metro encerraria às 23h30 criando transtornos propositados. Foi dado ainda conhecimento aos trabalhadores do requerimento metido por ocasião da anterior greve e a que o governo também não respondeu.

Ler Requerimento em PDF

Reformados do Metro continuam a luta contra o roubo dos complementos

mini-20140930 092006Os reformados do Metro de Lisboa continuam hoje a sua luta contra o roubo do complemento de reforma, com uma vígilia na Estação do Marquês de Pombal que se iniciou às 6h30 da manhã e terminará apenas às 01h00. Arménio Carlos da CGTP-In expressou a activa solidariedade da CGTP-In dirigindo aos presentes às 9h00 (foto), estando ao longo do dia previstas a participação solidária de outras organizações. O PCP reafirmará o seu compromisso de lutar pela não inclusão deste roubo já no Orçamento para 2015 pela voz do deputado Bruno Dias, que estará junto dos manifestantes por volta das 12h00.