Trabalhadores do Metro denunciaram que o Governo ainda não pagou as obras das três estações hoje inauguradas

mini-metrochequeUma delegação das Organizações Representativas dos Trabalhadores do Metropolitano de Lisboa esteve ontem na inauguração das três novas estações transportando consigo o cheque que simbolicamente exigiam que o Secretário de Estado assinasse no montante do custo daquela obra que o Governo não tinha pago obrigando a empresa a endividar-se ainda mais. Denunciavam assim que mais 226 milhões foram colocados na dívida da empresa por Governos que cortam fitas mas não pagam obras e depois falam da dívida das empresas públicas para justificar a sua privatização!

Trabalhadores do Metropolitano de Lisboa prosseguem a luta em defesa da Empresa, contra o roubo nos salários

mini-capa29062012Os trabalhadores do Metropolitano de Lisboa realizaram hoje um plenário no Largo Camões, onde aprovaram novas formas de luta contra o roubo nos salários e contra a destruição da empresa. Por unanimidade, os trabalhadores aprovaram a Moção que pode ser lida aqui:

Trabalhadores do Metropolitano de Lisboa em luta

 

ml 2012

Os trabalhadores do Metropolitano de Lisboa realizaram hoje uma nova grande jornada de luta contra o roubo nos salários de que estão a ser vítimas, e em defesa da contratação colectiva que o Governo insiste em violar. Uma luta que prosseguirá já no próximo dia 22 de Maio, com nova greve até àas 10h30.

Porque lutam os trabalhadores do Metro?

Os roubos aos trabalhadores estão a conduzir o Sector do Táxi ao descalabro!

taxigg2012No comunicado que está a ser distribuído no Sector do Táxi, o PCP recorda a profunda ligação entre os roubos aos trabalhadores e a crise que se vive no sector, vítima do ciclo recessivo em que o governo e as troikas estão a mergulhar o país. E apela à adesão do sector à greve geral de 22 de Março.

Ler Comunicado em PDF

Forte adesão dos trabalhadores do Metropolitano à luta paralizou a circulação a partir das 23h00

mini- MG 2177O Secretário-Geral da CGTP-IN, Arménio Carlos, na sua intervenção junto do piquete de greve no Metropolitano de Lisboa, saudou a forte adesão à jornada de luta do sector dos transportes, sublinhando o valor de uma luta que é simultaneamente uma luta em defesa dos direitos dos trabalhadores, dos direitos dos utentes, das empresas e da economia nacional. Fruto da adesão massiva dos trabalhadores do Metropolitano a circulação está encerrada em todas as linhas.

Trabalhadores do Metro reafirmam em Plenário que a luta é o caminho!

Num Plenário remini-IMAG0111alizado hoje, os trabalhadores do Metro reafirmaram a sua determinação em prosseguir a luta contra o roubo nos seus salários e contra a destruição dos Transportes Públicos, mobilizando-se para a greve de 2 de Fevereiro e para a Manifestação Nacional da CGTP-IN de 11 de Fevereiro. Um plenário onde se apelou «A todos os cidadãos para que compreendam e integrem as lutas contra os roubos declarados aos utentes e aos trabalhadores, através de subterfúgios economicistas que apenas beneficiam os interesses do grande capital financeiro.»

PCP questiona Governo sobre a expansão do Metro à Reboleira

reboleirametrO PCP questionou na Assembleia da República a razão dos atrasos nas obras de expansão da Linha Azul à Reboleira, quando se sabe estarem o essencial destas concluídas e existem informações de um atraso intencional. E pergunta mesmo se o Governo está à espera das projectadas privatizações para inaugurar as obras que as Empresas Públicas estão a pagar.

Ler Requerimento em PDF

Bernardino Soares com os trabalhadores do Metro sauda adesão de 100% à greve geral

mini-metro1Bernardino Soares esteve com os trabalhadores do Metropolitano de Lisboa, no piquete da Sidónio Pais. Ocasião para saudar a determinação e unidade destes trabalhadores, que garantiram uma adesão de 100% à greve geral.

99% de adesão paralisa Metro de Lisboa em defesa da Empresa, dos Direitos e dos Utentes!

mini-usarmetro.jpgOs trabalhadores do Metro, dando mostra de uma enorme unidade e determinação, paralizaram a circulação do Metropolitano de Lisboa em todo o período de greve (6h30 às 10h00). Esta luta desenvolve-se contra o ataque do Governo, que pretende destruir a Empresa, reduzir brutalmente os salários, liquidar o Acordo de Empresa, reduzir serviços de forma irracional e impor novos aumentos de preços. Uma política contrária aos interesses do povo, e que está a ser imposta para servir os interesses das multinacionais e dos grupos capitalistas portugueses.

Trabalhadores do Metropolitano decidem em plenário defender a sua empresa e os seus direitos!

mini-imag0057.jpgFace à brutal ofensiva lançada pelo governo contra o Metropolitano de Lisboa, contra os seus trabalhadores e os utentes do serviço público, os trabalhadores do Metropolitano, reunidos hoje em Lisboa, decidiram intensificar a luta em defesa da sua contratação colectiva, em defesa da sua empresa que há 50 anos serve a população de Lisboa, e contra a brutal agressão a todo o nosso povo em que o Governo e a troika estão empenhados. Entre outras formas de luta, no dia 8 de Novembro, o Metro avança para uma greve no período da manhã e no dia 24 junta-se à Greve Geral.