51 - A classe operária na vanguarda da luta

 

Com a substituição de Salazar, alguns sectores da Oposição, nomeadamente socialistas, declararam-se esperançados na manobra “liberalizante” de Marcelo Caetano, cujo objectivo era, sem nada alterar da política de Salazar, alargar as bases de apoio do regime. No momento em que o fascismo procurava semear ilusões e criar a passividade, a classe operária avança e mobiliza outros sectores para a luta. Um forte movimento grevista alastrou por todo o País: pescadores de Matosinhos, marmoristas de Pêro Pinheiro, operários dos lanifícios da Covilhã, conserveiras do Algarve, Carris, Lisnave, General Motors, Ford, Cabos Ávila, Cel-Cat, Utic, Arsenal, Covina, Cimentos Tejo, Firestone, Tabaqueira, TAP, CP, Robialac, Corame, Sorefame, Standar Eléctrica, Tudor – e muitas outras.

Para aprofundar o tema:


Próximo Painel: 52 - A luta pela emancipação da Mulher