1933 – 2003 - 70 anos de O Militante

1933 – 2003
70 anos de O Militante

 Maria da Piedade Morgadinho

É indiscutível o papel que a imprensa do Partido – o Avante! e O Militante – exerce na informação e na formação dos membros do Partido.

Temos vindo, este ano, a assinalar o 70º aniversário de O Militante.

Foi precisamento em Outubro de 1933, fruto dos esforços reorganizativos de 1929 encabeçados por Bento Gonçalves, que, com o título "Boletim do Secretariado", saía o 1ºnúmero, então copiografado, daquele que viria a ser mais tarde o "Boletim Interno do PCP", e a partir de Junho de 1941, depois da reorganização de 1940/41, "O Militante, Boletim de Organização do PCP".

Desde 1933 que O Militante acompanha estreitamente a vida interna e toda a actividade política do Partido, a luta do povo português, as grandes lutas da classe operária e dos trabalhadores em geral, bem como o trabalho sindical, as movimentações levadas a cabo pelos camponeses e outras classes sociais, os problemas e as acções dos jovens e das mulheres, dos intelectuais e de outras camadas e reflecte nas suas páginas os momentos mais importantes da vida política nacional e internacional.

No seu longo percurso de vida muitas foram as situações que O Militante atravessou na sua evolução e diversas as condições históricas em que foi publicado.

Como se escreveu nas suas páginas ao assinalar-se um dos seus aniversários: o importantíssimo papel que O Militante teve durante o largo período da clandestinidade – nomeadamente na aquisição de uma compreensão justa dos problemas de organização, da luta de massas, da organização do movimento popular, da luta contra a política e o terror fascista, da defesa conspirativa do Partido, da educação moral dos comunistas – torna-o indissociável de todo o trabalho de desenvolvimento e fortalecimento do Partido.

Se na clandestinidade a sua importância foi valiosíssima como educador político e como organizador, hoje, nas condições em que actualmente vivemos, a sua importância não é menor.

Procurando responder a novas exigências e problemas colocados pelo próprio evoluir da vida do Partido, da vida política, da situação nacional e internacional, e às novas exigências da formação dos membros do Partido, O Militante vem, nos últimos anos, registando significativas alterações.

Além de continuar a dar prioridade às questões de organização e da vida interna do Partido, nas suas páginas passaram a ter também lugar artigos sobre variadíssimos temas.

Hoje, com o sub-título "PCP-Reflexão e Prática", O Militante, perseguindo os mesmos objectivos que determinaram a sua criação em 1933, dirigindo-se antes de mais aos quadros e militantes do Partido sobre questões ideológicas e de organização tendo por base os princípios e conceitos do marxismo-leninismo e continuando a ser cada vez mais um elemento imprescindível da sua preparação e formação política e ideológica, dirige-se igualmente a simpatizantes e amigos do Partido e a pessoas que acompanham a imprensa partidária.

Como já tivemos ocasião de afirmar:

"O Militante tem de ser sentido e compreendido como uma ferramenta útil e mesmo indispensável à intervenção revolucionária dos comunistas. Para isso, continuará a dar-se grande atenção ao tratamento dos problemas de organização e ao intercâmbio de experiências de trabalho e luta, procurando simultaneamente acentuar a vertente do estudo e reflexão sobre as grandes questões do mundo contemporâneo e da sociedade em que actuamos."

Debates Sobre o Nosso Tempo

Integrado neste ciclo de debates, O Militante levou a cabo no dia 20 Fevereiro, em colaboração com a DORL, um debate sobre o tema "Capitalismo: Economia e Guerra", em que foram oradores António Avelãs Nunes, Jorge Cadima e Albano Nunes. Este debate, de que infelizmente não foi feito registo, realizou-se no "Espaço Vitória" com a presença de mais de 150 camaradas e amigos do Partido.

Um segundo debate teve lugar a 12 de Abril, em colaboração com a DORS, na Biblioteca Municipal de Setúbal, com o tema "A Estrutura de Classes e a Realidade Social Portuguesa", sendo oradores Francisco Lopes, Fernando Marques e João Costa Feijão. Desta iniciativa, também muito participada, dá nota o Avante! de 17 de Abril. Embora sem data marcada, estão em consideração outros debates inseridos nos objectivos deste ciclo, visando o aprofundamento do estudo de problemas relevantes e a promoção da leitura e difusão de O Militante.

«O Militante» - N.º 266 Setembro/Outubro de 2003