Contra o desmembramento e privatização da CP: a luta é o caminho!

ferr.jpgO PCP, através do seu grupo parlamentar, avançou com o pedido de apreciação parlamento do decreto-lei com que o Governo pretende prosseguir o processo de desmembramento e privatização do sector ferroviário nacional. Em comunicado aos trabalhadores, o PCP sublinha a gravidade das medidas agora avançadas, nomeadamente da segmentação para privatização do transporte ferroviário de mercadorias e da autorização para as concessões a privados da exploração dos transportes ferroviários suburbanos de passageiros. E aponta a necessidade e possibilidade de, pela luta e pelo voto, derrotar esta política.

Ler Comunicado do PCP em PDF

Ler Pedido de Apreciação Parlamentar apresentado  

Ferroviários Apelam ao Voto na CDU

ferr.jpgMais de 100 ferroviários membros das Organizações Representativas dos Trabalhadores do Sector dirigem este Apelo ao Voto na CDU, onde sublinham a importância de levar a luta até ao voto. Quando em Bruxelas se decide - com a concordância unanime de todos os partidos da política de direia (PS, PSD e CDS) a liquidação do Sector Público Ferroviário, e quando em Bruxelas e em Portugal se atacam os direitos de quem trabalha, o voto na CDU é o único que dá força a resistência a esta ofensiva e projecta a necessária alternativa.

Ler Comunicado em PDF

 

PCP visita infantário da CP na Parede

infantario_cp.jpgO PCP promoveu uma visita ao infantário na CP na Parede, na qual participaram os eleitos do PCP Bruno Dias, na AR, e Pedro Mendonça, na CM Cascais. Teve esta visita o objectivo de aprofundar o conhecimento sobre este serviço, que já há uns tempos esteve ameaçado de extinção por parte da Administração da CP. Na altura, a luta dos trabalhadores conseguiu defender os infantários da CP. O PCP comprometeu-se a colocar na AR e na CM Cascais um vasto conjunto de preocupações que lhe foram transmitidas.

Continua a luta na EMEF: Pelos direitos de quem trabalha, pelo futuro da empresa!

emef_luta.jpgTrabalhadores da EMEF, membros da sua Comissão de Trabalhadores e do Sindicato dos Ferroviários (SNTSF) estiveram hoje concentrados em frente às novas instalações da EMEF na Amadora, exigindo ser recebidos pela Administração da Empresa. Em causa o agravamento da precariedade na Empresa, os ataques aos direitos e aos salários em curso, e o futuro da Empresa, que pode e deve desempenhar um papel estratégico no sector ferroviário nacional.  

EMEF: A verdadeira face da política do PS posta a nú

O PCP avançou na Assembleia da República com um requerimento sobre a EMEF, empresa pública onde os dados do Balanço Social de 2008 demonstram dois dados claros sobre a política real que o Governo pratica nas Empresas Públicas e promove nas privadas: um aumento de 53% nos custos com os órgãos sociais e um aumento continuado da precariedade laboral (aumenta para o triplo em dois anos!).

Ler Requerimento

PCP saúda determinação dos trabalhadores da REFER

refer29042009.jpgO PCP apresentou na Assembleia da República um requerimento ao Governo exigindo explicações sobre a repressão dos trabalhadores da REFER no passado dia 23 de Abril (Ler Requerimento Aqui). Hoje, realizou-se um plenário de activistas sindicais e das ORT's da Refer (na foto), convocado em resposta à repressão da luta de dia 23, que agora já foi recebido pela Administração da Empresa, onde entregou uma resolução com as suas reivindicações. O PCP saúda esta mudança de atitude da Administração da REFER, mas saúda principalmente a determinação e luta dos trabalhadores que a impuseram.

Na Refer, Administração manda a polícia "receber" os trabalhadores

refer20090423.jpgHoje, quando um conjunto de trabalhadores da Refer se concentravam frente à Administração da Empresa, em defesa dos seus direitos, a Administração desta Empresa Pública decidiu que seriam recebidos pela Polícia e não por qualquer membro da Administração. Quando estamos na véspera do 35º Aniversário do 25 de Abril, o PCP condena firmemente o comportamento arrogante e anti-democrático da Administração da Refer e do Governo que a suporta, e solidariza-se com os trabalhadores e a sua luta, que se deve intensificar. Amanhã, o PCP apresentará na Assembleia da República um requerimento ao Governo sobre este inaceitável comportamento. 

Comunicado do SNTSF com as razões da concentração

PCP dirige-se aos trabalhadores da EMEF

emef.gif

Em comunicado aos trabalhadores da EMEF, a Célula do PCP no Sector Ferroviário apela à participação nas Manifestações do 25 de Abril e 1º e Maio e presta contas das acções dinamizadas na AR na sequência da visita do deputado Bruno Dias às instalações da empresa em Santa Apolónia. 
 

PCP apela à luta em defesa do Sector Ferroviário Público

ferrlutam.jpg O Governo prosseguiu este 16 de Abril com o desmantelamento do Sector Público Ferroviário, com a aprovação dos novos Estatutos da CP em Conselho de Ministros. De uma (nova) machadada, libertou-se do nome que há 153 ostenta a CP (de caminhos-de-ferro de portugal para comboios de portugal, sublinhando o objectivo de acabar com uma única empresa pública para toda a actividade ferroviária), preparou as condições para a entrega dos serviços lucrativos da CP à exploração privada e autonomizou para venda ao sector privado o transporte ferroviário de mercadorias. A esta medida respondeu a Célula do PCP no Sector Ferroviário com um comunicado onde apela à luta pela inversão completa das políticas seguidas no sector.

Ler Comunicado em PDF

Deputado do PCP visita EMEF em Lisboa e compromete-se com intervenção rápida na Ass. da República

emef_lx.jpgO Deputado do PCP Bruno Dias, a convite da Célula do PCP no Sector Ferroviário, visitou as instalações em Santa Apolónia da EMEF. Confrontado com a falta de condições de Higiene e Segurança com que os trabalhadores são obrigados a trabalhar (na foto, ilustra-se a situação dos diques para onde são despejadas as latrinas dos comboios e onde se tem que trabalhar na manutenção do equipamento) assumiu o compromisso de colocar a questão, com urgência, ao Governo. Um processo disciplinar a um membro da sub-ct, colocado por se ter deslocado uma hora à sala da CT, merecerá igualmente a firme intervenção na Assembleia da República.