PCP questiona Governo sobre as Condições de Trabalho na Linha do Oeste

O PCP questionou o Governo sobre as condições de trabalho na linha do Oeste, na sequência de um levantamento realizado nas Estações de Mafra, Pero Negro, Dois Portos, Sabugo e Outeiro da Cabeça, pelo SNTSF, e onde foram detectadas situações como: esquentadores colocados sem saída de gases, degradação extrema do mobiliário, instalações sanitárias e do pessoal à chuva, acesso às agulhas pelo lamaçal, inexistência de água canalizada, estuque a cair. (em Ler Mais, algumas fotos ilustrativas).

 

PCP exige que Governo respeite a contratação colectiva na EMEF e as decisões da ACT

A ACT (Autoridade para as condições do trabalho) do Barreiro condenou a EMEF a respeitar a contratação colectiva da empresa, nomeadamente o direito à hora para ir receber, prevista no AE, e que unilateralmente e ilegalmente a empresa deixou de cumprir há alguns anos. O PCP, saúda a luta que os trabalhadores vêm desenvolvendo desde então, sublinha que esta tem que prosseguir agora reforçada com esta decisão, e apresentou na Assembleia da República um requerimento ao Governo perguntando SE É DESTA QUE O GOVERNO VAI CUMPRIR A LEI NA EMEF!

Ler requerimento em PDF

17 Dezembro - Ferroviários dinamizam acção de luta Europeia contra a liberalização do Sector

17dez09.jpgEsta jornada constou de uma Manifestação em Bruxelas, onde o Sindicato dos Ferroviários se fez representar por uma delegação de 3 dirigentes e, na mesma hora, por acções em diversos países. Em Portugal, o SNTSF em conjunto com a Comissão de Trabalhadores da CP realizou uma concentração simbólica, com dirigentes e delegados sindicais e membros da CT, em frente à representação da União Europeia em Portugal, onde foi entregue o documento publicado em Ler Mais.

Instalações Sociais da CP nas Caldas da Rainha: PCP exige solução!

caldas1.gifO PCP confrontou o Governo com a ausência de respostas da CP e da Refer à degradação das instalações sociais nas Caldas da Rainha, onde vidros partidos, fios descarnados e buracos são reservados para os trabalhadores, enquanto Administradores que só aceitam dormir em hóteis vão chutando para o lado as responsabilidades pela resolução do problema. 

Ler Requerimento em PDF

Contra a Privatização e Destruição da CP: PCP apresenta Projecto-Lei!

Dando corpo aos seus compromissos eleitorais, o PCP apresentou na Assembleia da República um Projecto-Lei que revoga o Decreto com que o Governo, em Junho de 2009, decidiu a separação para privatização do transporte de mercadorias e abriu a porta à privatização das linhas urbanas ferroviárias.(Em Ler Mais, o PL completo).

A luta é o caminho! Vitória dos ferroviários na luta da CP-Lisboa e novas perspectivas na EMEF

mini-capa.jpgOntem de manhã realizou-se um plenário de activistas da EMEF à porta da Administração da CP (foto), marcado com o objectivo de exigir a realização de uma reunião com o Presidente do CG da CP para discutir a situação laboral e económica da EMEF. Reunião que se realizaria às 15.00, e abriu portas para a resolução das justas reivindicações dos ferroviários da EMEF, criando expectativas que os próximos tempos se encarregarão de desmentir ou confirmar.

Na Revisão da CP Lisboa, a greve marcada para hoje foi desmarcada na sequência de dois compromissos assumidos pelo CG da CP: a entrada para efectivos de todos os trabalhadores precários da Revisão da CP Lisboa; a garantia dos postos de trabalho no sector, e de que a Empresa não só não colocará vigilantes a substituir revisores, como tomará as necessárias medidas para corrigir a actual situação (informação mais detalhada em www.sntsf.pt ).

A unidade e determinação dos ferroviários foi determinante para a satisfação das suas justas reivindicações, e se-lo-á ainda mais no futuro.

PCP: saúda vitória dos trabalhadores da CP CARGA e expressa solidariedade com a greve na CP-Lisboa

ccartazgreverevisao5nov09.jpgO PCP saúda os trabalhadores da CP Carga, pela vitória alcançada com o processo de luta que culminou com a desconvocação da greve marcada para 4 de Novembro. Sublinha-se a importância da garantia dada pela administração da integração de TODOS os trabalhadores precários no quadro de efectivos, bem como as garantias de respeito pelo AE e pelo RC até à conclusão do processo negocial que se iniciará em Novembro.

O PCP expressa a sua solidariedade com os trabalhadores da revisão da CP-Lisboa, que tem greve marcada para dia 5 de Novembro, na sua luta em defesa dos postos de trabalho e do trabalho com direitos, e contra a tentativa do CG de promover a substituição de revisores por vigilantes sub-contratados. (Ler comunicado de Outubro sobre esta questão ).

A luta é o caminho!

PCP saúda vitória dos trabalhadores da CP pela liberdade sindical

 mini-sntsflibcp.jpg

Em Comunicado da Célula do PCP no Sector Ferroviário, é expressa a saudação aos ferroviários, que depois de 6 anos de luta conseguiram derrotar a ilegal repressão ao direito à greve em prática na CP, tendo recebido  finalmente todos os dias de salário ilegalmente retidos pelo CG da CP desde 2003.

Ler Comunicado em PDF

CP tenta substituir Revisores por Seguranças: Mais Trabalho por Menos Salário!

revisores_20out2009.jpgO Sector de Transportes está a distribuir aos trabalhadores um comunicado sobre a tentativa de substituição de revisores por seguranças na CP. Um comunicado onde alerta para o objectivo desta medida (substituir trabalhadores efectivos e com AE por trabalhadores precarizados, mais mal pagos e com menor poder reivindicativo), onde se solidariza com a greve marcada para dia 5 de Novembro para combater esta medida, e onde alerta para a necessidade de ir mais longe, e exigir que sejam integrados como trabalhadores efectivos os milhares de trabalhadores precarizados que nas Empresas Públicas de Transportes trabalham subcontratados por empresas de vigilantes, limpeza e ETT's.
 

Ferroviários apelam ao voto na CDU!

ferroviariosweb160.jpg

Um vasto conjunto de Ferroviários do Distrito de Lisboa realiza neste comunicado um apelo a todos os ferroviários a votarem na CDU nas próximas eleições legislativas e aponta duas razões estruturais para esse voto: Porque o voto dos trabalhadores deve ser na CDU, força que sempre esteve ao seu lado em todas as lutas contra a política de direita, contra a exploração; Porque o voto dos ferroviários deve ser na CDU, a força que consequentemente combateu a destruição do sector e a sua colocação a reboque dos lucros de meia dúzia de capitalistas e que apresenta um projecto claro para um forte e dinâmico sector ferroviário público, que contribua para o crescimento económico do país.

Ler Comunicado em PDF