Adesão esmagadora dos Ferroviários à luta paralisa a circulação em todo o país

teleindicadoresDecorre hoje mais uma jornada de luta dos trabalhadores ferroviários contra o conjunto de roubos de que estão a ser vítimas. Os ferroviários exigem - e justamente - o cumprimento da contratação colectiva e o respeito pelos seus direitos. Num momento em que o Governo se prepara para intensificar o roubo a todos os trabalhadores, o PCP saúda a determinação, unidade e luta dos ferroviários.

Greve dos ferroviários encerra a circulação em todo o país, CP e REFER insistem na ilegalidade e desinformação

mini-csodre20121005

A esmagadora adesão dos ferroviários à greve decretada por um vasto conjunto de sindicatos para o dia 5 de Outubro já levou à interrupção da circulação em todo o país. Esta luta ocorre na sequência de 4 dias de greve parcial dos maquinistas e de uma prolongada greve ao trabalho extraordinário e em descanso semanal da generalidade dos ferroviários. As ilegalidades que quer a CP quer a REFER cometeram neste processo, enquanto propositadamente desinformavam a população dos transportes disponíveis, são o espelho da falta de respeito pelos utentes e pelos trabalhadores que se apossou deste governo e das empresas por ele tuteladas.

PCP exige do Governo e da Administração da CP respeito pela lei e pelos direitos dos ferroviários!

mini-ferroviarioslutamA Célula do PCP no Sector Ferroviário editou um comunicado de resposta à carta da Administração da CP sobre as lutas na empresa. Um comunicado onde exige ao Governo e à administração que cumpra a lei e respeite os direitos e o trabalho dos ferroviários, e onde reafirma a determinação dos ferroviários em resistir ao roubo dos seus salários bem como ao ataque ao seu AE e às suas empresas.

Ler Comunicado em PDF

Na EMEF, a luta é o caminho contra o roubo nos salários e em defesa do aparelho produtivo nacional

capa luta_emefOs trabalhadores da EMEF realizaram hoje em Lisboa uma jornada de luta contra o roubo nos seus salários e em defesa do aparelho produtivo nacional. No Ministério da Economia e na Administração da CP deixaram as suas reivindicações, onde exigiram a adopção de um Plano Nacional de Desenvolvimento do Aparelho Produtivo no sector da manutenção, reparação e construção ferroviária - o caminho oposto ao que os governos submissos às multinacionais têm percorrido - e onde exigiram ainda uma inversão no caminho de roubo crescente aos trabalhadores para alimentar a parasitagem financeira.

Trabalhadores da EMEF em luta em defesa da Empresa e da Produção Nacional

manifemef7mar2012Os trabalhadores da EMEF realizaram ontem uma Marcha em Lisboa, contra o plano de destruição da empresa que o Governo tem em curso, e em defesa do emprego e do aparelho produtivo nacional. E expressaram ainda a sua adesão à greve geral de 22 de Março, para derrotar o incremento da exploração que representaria a aprovação do novo pacote laboral, e para exigir uma mudança de políticas em Portugal.

Grande Jornada de Luta na EMEF, em defesa do emprego e da produção nacional!

 

mini-emef20120201Os trabalhadores da EMEF realizaram hoje uma grande jornada de luta nacional, contra o plano de liquidação da empresa e em defesa do emprego e da produção nacional. No Porto, Entroncamento, Barreiro e Lisboa (Campolide), os trabalhadores em plenário decidiram levar as suas reivindicações junto dos utentes e das autarquias respectivas, com um apelo ao reforço da luta em defesa da EMEF. Em Campolide, os trabalhadores realizaram um corte simbólico da linha, em protesto contra os mais de 600 despedimentos que o Governo quer impor. O PCP, totalmente solidário com a luta dos trabalhadores da EMEF, exige do Governo uma mudança de rumo na política de transportes, libertando-a da submissão às troikas e ao pacto de agressão.

Ler Requerimento do PCP sobre a EMEF

Trabalhadores da EMEF em luta contra a liquidação da empresa

emef20120111

Centenas de trabalhadores da EMEF realizaram hoje duas concentrações de protesto, frente à Administração da CP e ao Ministério da Economia, numa acção nacional de luta, onde exigiram a revisão do ilegal plano de liquidação da EMEF, onde o Governo, entre outros crimes, prevê o despedimento de 800 trabalhadores, o encerramento de 4 pólos industriais, a entrega aos privados de outros tantos, e o fim da produção nacional de vagões. O PCP expressa a sua total e activa solidariedade com esta luta, que é uma luta em defesa do emprego e do aparelho produtivo nacional, e contra o pacto de agressão que se propõe completar a destruição da economia nacional e acentuar a dependência nacional das multinacionais.

Ler Requerimento sobre a EMEF entregue na Assembleia da República

PCP contesta encerramento dos Infantários da CP

paredecoO Grupo Parlamentar do PCP éxigiu do Ministro da Economia medidas que impeçam o encerramento dos Infantários da CP na Parede, Barreiro e Entroncamento, na sequência da decisão anunciada aos pais de encerrar desde já os dois primeiros. Para o PCP, trata-se de mais uma medida errada, de ataque aos trabalhadores, criadora de desemprego e de liquidação de serviços sociais essenciais.

Ler Requerimento em PDF

Adesão total dos ferroviários já paralisou a circulação ferroviária em Lisboa

mini-IMG 0513Com a adesão praticamente total dos ferroviários, a greve geral já encerrou a circulação ferroviária na Linha de Sintra, na Linha de Cascais, na Linha da Azambuja e na linha do Sado. É mais uma importante demonstração da unidade e determinação dos trabalhadores para construir uma grande greve geral!

Adesão esmagadora dos Ferroviários paralisa circulação ferroviária em todo o país

20111108_grve_ferroviarios3.jpgOs ferroviários responderam hoje - com uma esmagadora adesão à greve - à brutal ofensiva que se abate sobre o sector. Uma ofensiva onde o Governo se prepara para destruir o serviço regional e entregar à exploração capitalista os sectores potencialmente lucrativos da CP (os suburbanos e o longo curso), procedendo a centenas de despedimentos, à liquidação dos AE's, à diminuição dos serviços e ao aumento de preços, entregando a EMEF e a CP Carga às multinacionais e carregando a Refer com as dívidas de todo o investimento nacional em infraestruturas ferroviárias nos últimos 20 anos: Só o reforço da luta dos ferroviários, a par da luta dos utentes e das populações, pode derrotar este projecto anti-nacional, cozinhado entre a troika ocupante (UE/BCE/FMI) e a troika colaboracionista (PS, PSD, CDS).