PCP avança com iniciativas legislativas para travar o agente único nos comboios

rect3699O PCP avançou com duas iniciativas legislativas para tentar travar a alteração em curso nos regulamentos ferroviários que permitiria a generalização do agente único nos comboios de passageiros e mercadorias. Fá-lo em nome da segurança ferroviária, da qualidade do serviço e das condições de trabalho dos ferroviários. Nada justifica (excepto a sede de lucros de mia dúzia) que se continue a retirar trabalhadores à operação aumentando o risco, degradando as condições de utilização do serviço, facilitando a própria degradação do material e da infraestrutura. Pelo contrário, o país o que precisava é que mais trabalhadores fossem integrados na ferrovia, nomeadamente acabando com as estações abandonadas e os comboios sem a tripulação devida, e reforçando o trabalho de manutenção de um investimento público que merece ser mais rentabilizado pelo país em vez de colocado ao serviço dos lucros de meia dúzia.

Ler Requerimento entregue; Ler Projecto de Resolução entregue

Santa Apolónia: Especulação continua a ser mais importante que servir os utentes!

req staapoloniahotelPoucos dias depois das eleições autárquicas foi publicado um anúncio, da IP, colocando perto de metade da Estação de Santa Apolónia para ser concessionada, a 35 anos, para um Hotel. Uma opção errada a todos os títulos, que o PCP exigiu do Governo ser cabalmente esclarecida e revertida.

Ler Requerimento em PDF

Boletim do Sector: O Orçamento de Estado e os Ferroviários

bol ferr out 2017Está em distribuição o Boletim do PCP no Sector Ferroviário. Um Boletim onde se aborda com detalhe as matérias relativas ao Orçamento de Estado, quer as relativas às questões laborais, quer as relativas ao futuro do sector. Um documento onde se alerta para a necessidade de lutar pela satisfação das justas reivindicações dos trabalhadores. No Boletim informa-se ainda das iniciativas realizadas nos últimos meses sobre o sector e apela ao protesto contra o facto de a CP ter recebido de Indemnizações Compensatórias menos 75% que as privadas Fertagus e MST, apesar da rede incoparavelmente superior que assegura e a preços muito mais reduzidos.

Ler Boletim em PDF

Travar o desmantelamento da Ferrovia, defender a oficina de Vagões da EMEF

emef vagonsFace à informação dada aos trabalhadores de que a Oficina de Vagões da EMEF vai ser encerrada, o Grupo Parlamentar do PCP confrontou o Governo, exigindo esclarecimentos e apontando a necessidade de valorizar a EMEF em vez de continuar o caminho de pulverização e destruição do sector ferroviário.

Ler Requerimento em PDF

PCP solidário com a luta dos trabalhadores da EMEF contra os despedimentos e a precariedade!

20170817 emefUma delegação de membros das ORT's da EMEF voltou esta semana a concentrar-se junto da Presidência do Conselho de Ministros, exigindo a imediata integração nos quadros da empresa de 10 trabalhadores precários despedidos apesar de fazerem falta à operação (como reconhece a Administração) e de estarem inscritos no PREVPAP (como reconhece o governo). O PCP esteve presente, tendo a deputada Paula Santos expressado a solidariedade com a luta destes trabalhadores e reafirmado a exigência do PCP ao governo de que esta situação se resolva imediatamente. O PCP saudou a luta e a determinação destes trabalhadores, que é a melhor garantia de que acabarão por alcançar as suas justas reivindicações.

Luta na EMEF pela reintegração dos trabalhadores despedidos

emef200717Um colectivo de membros das ORT da EMEF estiveram hoje concentrados à porta do Conselho de Ministros, exigindo a integração imediata dos 10 trabalhadores despedidos das oficinas de Santa Apolónia. Trabalhadores que estavam inscritos no PREVPAP e que fazem falta à operação ferroviária, onde se acumulam os atrasos no serviço provocados pela falta de trabalhadores, como o PCPjá denunciou em requerimentos (aqui e aqui) colocados na AR.

EMEF: Comboios parados, trabalhadores despedidos, utentes à espera!

staapoliniaoficinaOs comboios amontoam-se nas oficinas de Santa Apolónia na sequência da decisão do Governo de despedir 10 trabalhadores precários na passada semana. Uma situação escandalosa, pois estes trabalhadores estavam inscritos no Programa de regularização das situações precárias, e fazem tanta falta que a própria empresa pediu ao Governo para os contratar. Mas o Governo continua cego à realidade operacional das empresas e exclusivamente preocupado em submeter-se aos critérios economicistas, custe o que custar ao país essa cegueira. Hoje, 30% da frota está parada e a degradar-se, mas o governo poupa uns tostões para amanhã gastar uns milhões. O PCP confrontou o Governo na Assembleia da República.

Ler Requerimento em PDF

PCP confronta Governo e apela à luta dos trabalhadores

emefprecarios10julNo dia 10 de Julho foi consumado o despedimento de 10 trabalhadores precários da EMEF de Santa Apolónia. Dez trabalhadores que fazem falta, dez trabalhadores que estão inscritos no programa de regularização da precariedade, dez trabalhadores que já deviam estar efectivos há anos. O PCP, no requerimento na Assembleia da República que se anexa, confrontou o Governo com esta decisão da Administração que acabou de nomear para a CP e para a EMEF e exigiu a imediata contratação destes trabalhadores. E apela à luta dos trabalhadores da empresa.

Ler Requerimento em PDF

PCP visita oficina da EMEF em Santa Apolónia

emef sapol20170619O SNTSF e a CT da EMEF convidaram todos os grupos parlamentares a uma visita às oficinas da EMEF. Em Lisboa, essa visita foi à oficina de Santa Apolónia, onde esteve presente a deputada Rita Rato do PCP (foto), não tendo qualquer outro partido aceite o convite. O PCP aproveitou a ocasião para reafirmar a sua oposição à separação da EMEF em duas empresas, e a sua exigência da integração imediata na EMEF dos trabalhadores alugados às ETT.

PCP contacta trabalhadores da ex-CP Carga e confronta Governo

No dia 12, o PCP contactou directamente os trabalhadores da Medway (ex-CP Carga) na sede da Av. da República. Na sequência desse contacto, o PCP confrontou o Governo com a tentativa de imposição de contratos de cessação aos trabalhadores, exigindo que o Governo intervenha quer fazendo valer os direitos dos trabalhadores e das suas ORT, quer impondo à multinacional as obrigações assumidas no momento da privatização.

Ler Requerimento em PDF