PS e BE com práticas autoritárias em Lisboa

«O mandato ainda mal começou e já está inquinado de casos graves de atitudes e comportamentos políticos lesivos dos direitos de oposição», denunciaram, terça-feira, em conferência de imprensa, os eleitos do PCP, lamentando haver, no Executivo municipal «dois pesos e duas medidas». Um modelo errado de governar Lisboa, acusa o PCP
PS e BE com práticas autoritárias


O PCP continua atento e, em defesa dos interesses dos lisboetas, tudo fará para que a cidade ainda possa avançar na solução de problemas prementes, que vão desde a reabilitação urbana à iluminação pública.

«O mandato ainda mal começou e já está inquinado de casos graves de atitudes e comportamentos políticos lesivos dos direitos de oposição», denunciaram, terça-feira, em conferência de imprensa, os eleitos do PCP, lamentando haver, no Executivo municipal «dois pesos e duas medidas».
Como as «regras» não são as mesmas para a coligação PS/BE e para a oposição, uma das críticas dos comunistas prende-se com a recusa de agendamento de proposta dos vereadores do PCP visando a constituição de uma comissão de vereadores que, com o presidente da autarquia, contacte com o Governo sobre equipamentos do Estado na cidade.
Entretanto, têm sido agendadas, votadas e aprovadas, outras propostas de teor similar, mas vindas de outras bancadas. «O PCP vai reagir a esta atitude anti-democrática e manterá a sua proposta, de evidente razoabilidade: debater com o Governo as questões sérias da deslocalização de equipamentos, as alienações de património do Estado na cidade», prometem os eleitos comunistas.
Foram ainda sancionadas outras propostas, que aguardam agendamento desde a primeira sessão, nomeadamente para «a criação de equipas multidisciplinares para intervenção rápida no espaço público». Não foi ainda autorizada uma mensagem dos vereadores do PCP, via e-mail, aos trabalhadores da Câmara a propósito da anulação dos concursos públicos.
Os comunistas alertaram ainda para a «pressa enorme» do Executivo PS/BE relativamente ao Parque Mayer, que se encontra em inquérito criminal no TIC de Lisboa. No que toca à questão urbanística, é conhecida a posição do PCP de nada promover sem Termos de Referência e Plano de Pormenor, como a lei determina.

BE e PS preparam eleições para 2009

Numa apreciação do desempenho do PS e do BE, nestas poucas semanas de mandato, os eleitos do PCP alertaram para a «permanente insistência em acções de propaganda, tendo em vista a preparação das eleições de Outubro de 2009», o «constante recurso ao argumento da crise financeira e orçamental para imposição de medidas arbitrárias e injustas», a «retoma de erradas soluções-tipo que vinham de trás e que foram sempre criticadas pelo PCP», a «constante ameaça de despedimento de trabalhadores», a «anulação de todos os concursos que estavam abertos e que garantiam a possibilidade de regularização da situação de muitos trabalhadores» e a «práticas de autoritarismo inaceitáveis no relacionamento com a oposição».
Sobre o «acordo» político entre os dois partidos, os comunistas sublinham que a autonomia do BE e do seu vereador, desde o primeiro dia, «se esvaiu em três páginas de um contrato em que o PS ficou com a parte de leão e o BE com a parte de cordeiro».