Sintra: 15 dias após a abertura do ano escolar faltam 39 professores no agrupamento de escolas Professor Agostinho da Silva

Em comunicado a CDU - Freguesia de Casal de Cambra (concelho de Sintra) exige respeito pela dignidade de alunos, professores, pessoal auxiliar, pais e encarregados de educação face à inaceitável situação de 15 dias após a abertura do ano escolar faltarem 39 professores no agrupamento de escolas Professor Agostinho da Silva em Casal de Cambra, impedindo que toda as crianças acedam a um direito fundamental, a educação.

 

COMUNICADO

Contra a destruição da escola pública e pelo respeito pela dignidade de alunos, professores, pessoal auxiliar, pais e encarregados de educação, do agrupamento de escolas Professor Agostinho da Silva em Casal de Cambra.

Decorreram quinze dias após a abertura do ano escolar. Quinze dias em que mães, pais e encarregados de educação, dos alunos doagrupamento de escolas Prof. Agostinho da Silva, têm deixado os seus filhos nas escolas sem que os mesmos tenham aulas por falta de professores.

Decorreram quinze dias em que auxiliares de educação têm feito um esforço, para além das suas responsabilidades, para garantir o bem-estar de jovens, agrupados em salas com mais de trinta alunos, porque não existem professores em número suficiente para todas as turmas.

Decorreram quinze dias e, no agrupamento referido, continuam a faltar 39 professores.

Decorreram quinze dias e, fruto das opções políticas de um governo, os alunos do citado agrupamento escolar, tal como uma enorme percentagem de alunos das escolas Portuguesas, não têm acesso a um direito constitucional.

Decorreram quinze dias e, pasme-se, irá decorrer outro tanto ou mais, antes de os alunos do agrupamento de escolas Agostinho da Silva, terem os professores que necessitam para iniciar o seu ano escolar.

Não é possível ser condescendente com este tipo de incúria e ataque à escola pública.

A Escola Pública, de pleno direito, é uma das principais conquistas do Povo Português, obtida após o 25 de Abril de 1974.

Hoje, as opções políticas dos sucessivos Governos, políticas de direita, são um ataque a essas conquistas e têm como objectivo final, a destruição da escola pública.

Este ataque, que tanto governos PSD / CDS-PP, como governos PS, têm realizado à escola pública tal como a conhecemos e exigimos, constitui a mais insidiosa campanha para o retorno ao analfabetismo e à miséria cultural em que se vivia antes do 25 de Abril, onde apenas alguns privilegiados tinham acesso ao ensino na sua totalidade.

As alterações da política educativa que progressivamente têm vindo a ser introduzidas pelo actual governo de coligação PSD/CDS-PP, são prova cabal que estamos perante um projeto pérfido e socialmente muito perigoso. São exemplo as seguintes medidas:

·         A alteração do estatuto da carreira docente, com efeitos gravíssimos na qualidade da prática docente;

·         A política de encerramento de escolas;

·         O encerramento dos centros de formação de professores;

·         A alteração avulsa dos currículos;

·         A extinção de disciplinas, que lançou milhares de docentes no desemprego e abre a porta à privatização da escola pública, são medidas que não podem ser aceites e que urge denunciar de forma a repor-se a legalidade constitucional.

Contra tudo o que referimos a CDU continuará  a lutar!

Estamos, conjuntamente com todos aqueles que se preocupam com o futuro dos seus filhos, numa luta que não pode parar. Nesse sentido:

A CDU manifesta o seu apoio à justa luta que as mães, pais, alunos, professores e pessoal auxiliar do agrupamento de escolas Professor Agostinho da Silva estão a encetar na defesa dos seus direitos, e, depois de ter exposto o problema na Assembleia Municipal do passado dia 18 de Setembro, continuará a lutar pela sua denúncia e resolução na freguesia, na Assembleia da República e na Rua, junto da comunidade escolar

A LUTA CONTINUA!

A coordenadora da CDU da Freguesia de Casal de Cambra.