Saudação ao 46º aniversário do 25 Abril e aos 130 anos do 1º Maio Intervenção da Deputada Municipal do PCP Natacha Amaro

 
Natacha Assembleia municipaCelebramos 46 anos da Revolução transformadora do nosso país e é incontornável a referência a tudo o que se conquistou com a liberdade: direitos no trabalho, à educação, à saúde e à cultura, o fim da guerra colonial, o Poder Local democrático, a abertura aos outros países e povos do mundo.
 
Celebramos um marco inesquecível de derrubamento de tudo o que é mais negro no fascismo e que Portugal viveu durante quase
50 anos: a guerra, a fome, a miséria e as condições de vida aviltantes para uma imensa maioria, o analfabetismo, a repressão e a opressão, a tortura e a prisão por motivos políticos.
 
Em tempos de pandemia, celebrar Abril é fundamental e necessário para a afirmação do seu projecto libertador e da actualidade dos seus valores e princípios. O Serviço Nacional de Saúde é, nos nossos dias, talvez a conquista mais falada e valorizada e é uma prova viva da justeza dos conteúdos e objectivos traçados a partir daquele dia histórico e fundador. Saúde gratuita e para todos é hoje um requisito e uma exigência, vulgarmente apregoados, de uma sociedade que cuida da sua população, do seu futuro, tal como Abril preconizou.
 
Mas ainda muito mais há a fazer para concretizar plenamente os valores de Abril, para efectivar a democracia em todas as suas faces, para construir o futuro de Portugal.
 
Também assinalamos os 130 anos do Dia Internacional do Trabalhador, da incessante, dura e heróica luta dos trabalhadores de todo o mundo pelos direitos e pela emancipação do trabalho, por uma sociedade em que o trabalho constitua a realização plena das capacidades criadoras do ser humano.  O 1º de Maio é data histórica que importa evocar e exaltar, numa afirmação da força do mundo do trabalho, dos direitos dos trabalhadores, do longo caminho de lutas e conquistas, em Portugal e no Mundo. E esse caminho continua a ser trilhado por todos aqueles que, sob a capa do vírus e da crise anunciada, sofrem os maiores ataques aos seus direitos laborais, económicos, sociais e sindicais. A população está de quarentena, os direitos não! Celebrar o 1º Maio em pleno surto epidémico é relembrar a história mas também defender direitos e dar voz às reivindicações de quem trabalha, dos muitos milhares de trabalhadores que fazem o país andar, produzir, criar, crescer, desenvolver-se. Celebrar o 1º Maio é também valorizar os trabalhadores que não podem fazer quarentena e todos os dias saem para trabalhar e garantir para todos nós a saúde, os transportes, o fornecimento de bens essenciais, a recolha do lixo, entre tantas outras coisas que garantem que o país não para. Dar valor. É também isso o 1º Maio. Dar valor a quem trabalha.
 
O Voto de Saudação foi aprovado por maioria.
​Favor - PS, PCP, BE, PAN, PEV, 10 DM Ind
Contra - CDS e 1 DM Ind
Abstenção - PSD, MPT e PPM
 
Consulte a Saudação: 
46.º Aniversário da Revolução de 25 de Abril de 1974 e ao 130° Aniversário do 1° de Maio, dia Internacional dos Trabalhadores46.º Aniversário da Revolução de 25 de Abril de 1974 e ao 130° Aniversário do 1° de Maio, dia Internacional dos Trabalhadores