PCP da Ajuda edita boletim

O PCP da freguesia da Ajuda editou o seu Boletim de Dezembro, abordando matérias como: Governo e Câmara esquecem ajuda; a revolução de outubro; o centro de saúde; a situação dos reformados; o crescimento do desemprego; a esquadra da polícia.
GOVERNO E CÂMARA DE LISBOA ESQUECEM FREGUESIA DA AJUDA

A freguesia da Ajuda, freguesia  com mais história da Cidade de Lisboa, tem sido  esquecida pelos vários     governos e executivos camarários.

A falta de  requalificação do Espaço Público é prova    disso.

Há anos que a população da Ajuda se depara com  espaços completamente degradados.

Os eleitos da CDU na freguesia da Ajuda, sempre  lutaram pela concretização dos vários projectos de intervenção na requalificação do espaço público, com soluções propostas e aprovados pela CML, que com um pouco de boa vontade por parte dos Orgãos competentes, seriam prontamente resolvidas.

São disso exemplo, entre outros projectos de menor envergadura, o Projecto de Requalificação dos espaços exteriores do Bairro 2 de Maio e saneamento básico, o Projecto de requalificação da Rua Eduardo Bairrada/Rio Seco e o Projecto de Pormenor da Envolvente ao Palácio da Ajuda.
Falamos dos problemas existentes no  Bairro 2 de Maio, bairro camarário social, construído há mais de 30 anos, continua por acabar. Há muitas situações por resolver, como é o caso do saneamento básico no bairro com problemas graves de esgotos, no interior dos lotes e rede de colectores  causando imensos problemas nas habitações e parte exterior. Também no que se refere ao espaço público   e arruamentos, as obras chegaram a iniciar-se, pararam e não voltaram a serem retomadas. A população confronta-se diariamente com más condições de acessibilidade ás suas habitações, caminhos em péssimas condições, entre outros problemas.

Com esta falta de vontade política, apetece-nos perguntar aos senhores governantes e á Câmara, que é o senhorio das  habitações ali existentes, se para eles, a população do  Bairro Dois de Maio  não tem os mesmos direitos que eles.

90 ANOS DA REVOLUÇÃO SOCIALISTA DE OUTUBRO 1917/2007


Ao triunfar a Revolução Socialista de Outubro de 1917, trouxe ao mundo uma nova certeza, a possibilidade dos povos serem dirigidos sem o jugo   do capitalismo. Baseado na teoria marxista, Lenine, com um forte apoio dos trabalhadores e do povo conduziu o processo revolucionário até á tomada do poder. A partir de então o mundo conheceu as mais humanizadas transformações sociais. Daí em diante os povos participaram directamente ou através de eleitos directos nas definições do Estado e dos interesses dos povos pelo mais nobre respeito por quem trabalha pela  importância e necessidade da Educação e Cultura para todos, no direito à igualdade, à saúde, à habitação, ao desporto para todos, enfim, à dignidade da pessoa humana, à mais elementar condição de liberdade dando a todos as mesmas possibilidades nas diversas esferas; conhecimento, saúde, desporto, educação e cultura.

Finalmente com a revolução de Outubro deu-se a      verdadeira emancipação dos povos. Foi daí, do seu êxito, do seu exemplo, dos direitos que deu ao povo que desencadeou o surgimento dos partidos comunistas por todo o Mundo, e, naturalmente, assim  surgiu em Portugal, o Partido Comunista Português. Baseado nos princípios revolucionários da 1ª. Revolução Socialista a ter êxito duradouro, o P.C.P. abraçou a ideologia marxista-leninista que lhe permitiu atravessar  décadas até aos nossos dias contra as mais adversas condições de luta.

Essa luta só  possível pela confiança que os povos adquiriram na possibilidade do fim do capitalismo tão bem conseguido e demonstrado na vitoriosa Revolução Socialista de Outubro.

Daí em diante os trabalhadores e os povos de todo o mundo  organizaram-se dando combate ás desigualdades á opressão sempre tendo em mente o êxito da Revolução Socialista de Outubro.                                                
                                                           
Essa luta só  possível pela confiança que os povos adquiriram na possibilidade do fim do capitalismo tão bem conseguido e demonstrado na vitoriosa Revolução Socialista de Outubro.

Daí em diante os trabalhadores e os povos de todo o mundo  organizaram-se dando combate ás desigualdades á opressão sempre tendo em mente o êxito da Revolução Socialista de Outubro. Foi a libertação do jugo colonial de dezenas de países africanos, asiáticos e da América. Foi a criação de sindicatos por todo o mundo  do trabalho, sempre  alicerçados, na Revolução Socialista e na URSS.

Após a queda da União Soviética, hoje, podemos afirmar sem sombra de dúvida está mais pobre, mais injusto, mais desigual. Desenganem-se aqueles que pensam o contrário. O capitalismo está aí, todos os dias, a provar a razão dos comunistas. O custo de vida aumenta, os direitos dos trabalhadores são reduzidos, os bens do Estado, de todos, são vendidos  ou entregues aos privados, os Ministros 
saem das cadeiras do poder e regressam ás cadeiras dos seus patrões privados onde a promiscuidade é de tal forma que a muitos já parece tudo normal, cobram-se juros elevadíssimos aos trabalhadores e ao povo para depois perdoarem aos senhores do dinheiro, banqueiros e outros, milhões e milhões. Mandam apertar o cinto aos trabalhadores e ao povo, falam de crise, no cumprimento do défice imposto pela EU de iguais princípios, mas os senhores do dinheiro vivendo á tripa forra. O  salário mínimo nacional não pode aumentar mas  o Sr. Fernando Ulrich anunciou na televisão que sete administradores reduzidos na fusão dos dois bancos (BPI/BCP) custariam menos 25 MILHÕES DE EUROS/ANO. Há dois milhões de pobres em Portugal e eles, o poder político PS ou PSD/CDS a permitir o crescimento da pobreza e da miséria. Criam comissões de luta contra a fome, e a fome a aumentar, anunciam postos de trabalho e vemos cada vez mais desemprego. O fim do capitalismo já começou, foi disso exemplo bem claro  a União Soviética, cabe agora aos Partidos Marxistas-Leninistas engrossarem as suas fileiras e com os trabalhadores e o povo ir á conquista do fim da exploração.

É no Partido Comunista Português que os portugueses podem confiar, é nele  que devem lutar aderindo ás suas fileiras e com ele lutar pelo fim da exploração do homem pelo homem, pela autentica liberdade pela dignidade e pelo fim do capitalismo.

POPULAÇÃO TEM DIREITO A MAIS TRANSPORTES


A política de transportes dos sucessivos governos mostra a realidade que se passa na Freguesia da Ajuda onde a população tem visto o seu direito á mobilidade ser posto em causa com cortes de carreiras, redução do número de autocarros e eléctricos, alterações de horários das carreiras e alteração de percursos das mesmas, tudo feito nas costas da população, em nome da reestruturação da rede de transportes da Carris que, não é mais nem menos que uma forma de penalizar todos os que vivem, trabalham ou estudam na freguesia da Ajuda, ao mesmo tempo que os títulos de transporte têm aumentado significativamente.

O Governo do Partido Socialista que nomeia os seus homens para a Administração da Carris, para porem em prática a sua politica, é um dos grandes culpados pelas alterações nos transportes que tem prejudicado todos os moradores na Freguesia da Ajuda e, em particular, dos Bairros do Caramão e Casalinho da Ajuda, assim como o não haver uma carreira a circular pela Rua do Cruzeiro, a não existência de transportes públicos à Baixa a partir das 21h30 e o corte da carreira de eléctricos a Santo Amaro aos fins de semana.

OS MORADORES DO CASALINHO não esquecem que, no ano de 2000, quando a população e o PCP lutavam para que a carreira 60 passasse no interior do bairro, os membros do PS andavam pela calada da noite a colocar um comunicado   nas caixas do correio  pondo ao lado da Administração da Carris e do Governo em vez de defenderem as justas reivindicações da população. Ao mesmo tempo que o Governo e a Carris usavam o argumento falso que a carreira 60 não poderia ir ao Bairro do Casalinho porque não seria tecnicamente possível, dado que significaria um acréscimo de tempo de percurso, em anel, de 3 a 4 minutos, sabendo o Governo, a Carris e o PS que aquilo que estavam a dizer não era verdade – a alteração á carreira 60 que o PCP e a população reivindicam para o Casalinho da Ajuda é o mesmo que acontece hoje com as alterações das carreiras de autocarro 23 e 29, também em anel, e acréscimo de tempo de percurso de modo a servirem o Polo Universitário da Ajuda. 

INSTALAÇÕES DA ESQUADRA DA POLICIA SÃO PARA MANTER


Em sessão pública descentralizada da C.M.L. realizada no dia 05 de Dezembro de 2007, na Colectividade Academia de Santo Amaro de Alcântara, o Presidente da Câmara Municipal de Lisboa e antigo Ministro da Administração Interna do Governo PS foi questionado por um militante do PCP sobre se iria manter o espaço reservado para a esquadra da policia na Freguesia da Ajuda, que se encontra na Rua das Açucenas.

O mesmo respondeu que o espaço só não se iria manter caso o Ministro da Administração Interna comunicasse à CML que não tinha intenção de abrir uma esquadra nesse local.

A CDU e a população da Ajuda conseguiram, com a sua luta que os anteriores executivos camarários tivessem que aprovar e manter o espaço para a esquadra, cabe à população estar atenta para que o mesmo não desapareça. A população da Ajuda pode contar, como sempre, com o apoio da CDU para que se concretize a reabertura da esquadra da Ajuda.

REFORMADOS, PENSIONISTAS E IDOSOS


OS REFORMADOS, PENSIONISTAS E IDOSOS DA FREGUESIA DA AJUDA  TAMBÉM SENTEM A POLITICA DO GOVERNO DO PS/SÓCRATES

O agravamento da vida dos nossos idosos está cada vez mais acentuado.

As desigualdades sociais colocam esta camada numa situação que põe  em causa a dignidade de quem sempre trabalhou.
Este agravamento provém das sucessivas políticas, do PSD e do PS, contrárias aos interesses dos mais desfavorecidos.
Se não vejamos:

- Insuficiência nos aumentos de reforma
- Aumento do preço dos medicamentos
- Aumento dos bens essenciais de consumo (pão,leite)
- Aumento do IRS
- Aumento das taxas moderadoras (Centro de Saúde e Hospitais), etc., etc.

O governo faz sistemáticos apelos à solidariedade social para com os idosos e suas famílias, para dar nas vistas criou em 2005 o Complemento Solidário  e na prática o que temos?  

A nova prestação social pode ser requerida sempre e quando o requerente/reformado informe das contas bancárias e apresente uma relação de bens e rendimentos seus e dos seus familiares

E chama a “isto” Complemento Solidário?

O DESEMPREGO ATINGE 440,5 MIL TRABALHADORES NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2007


Os problemas do emprego e do desemprego colocam-se a todos os trabalhadores portugueses independentemente do sexo, da idade e das habilitações.

Entre 2000 e 2006, a taxa de desemprego passou de 3,9% para 7,7% respectivamente, aumentando para 7,9% no primeiro semestre de 2007, o que corresponde a 440,5 mil trabalhadores no desemprego.

A taxa de desemprego no primeiro trimestre de 2007 foi de 8,4% - este foi o valor mais elevado do desemprego das duas últimas décadas.

A taxa de desemprego dos jovens era, no primeiro semestre de 2007, 15,3%.

Do total dos desempregados, 216,3 mil estavam à procura de emprego à mais de um ano, isto é, 49,1%.

Entre 1998 e 2006, os trabalhadores com contrato precário aumentaram 35,2%.


Este é o resultado das políticas económicas e sociais levadas a cabo pelo Governo do PS, numa estratégia de desvalorização do trabalho e de reposição de velhas fórmulas de exploração dos trabalhadores. Ao longo dos últimos anos temos assistido ao aumento generalizado da precarização do trabalho, do desemprego e da perda de direitos e regalias dos trabalhadores.

Há que lutar para alterar esta política desastrosa para os trabalhadores e para o país!

ESTE CENTRO DE SAÚDE DEIXA-ME DOENTE


A exemplo daquilo que se passa um pouco por todo o País, são muitos os problemas sentidos no Centro de Saúde da Ajuda.

As infra-estruturas estão velhas, só um elevador é que está a funcionar e esse avaria quase todas as semanas, o que obriga idosos, deficientes e grávidas a subirem, muitas vezes até ao 5º. Piso pelas escadas;

- O tempo de espera para uma consulta marcada a longo prazo é cerca de um mês;
- Falta de pessoal médico – reformaram-se 2 pediatras e são os clínicos gerais, que estão a assistir as crianças com menos de 2 anos;
- Reformou-se um Clinico Geral, uma médica está de licença sem vencimento por tempo indeterminado e duas médicas estão de atestado desde o inicio do ano. Nenhum destes médicos foi substituído, estando os restantes a observar todos os pacientes, impossibilitando que os serviços sejam prestados com a devida qualidade.

A maioria dos administrativos são contratados a termo certo de três em três meses, criando instabilidade e insegurança nos trabalhadores.

O Governo enquanto entidade patronal, trata com  total desconsideração os trabalhadores do Centro, esquecendo por completo os seus direitos.  

As urgências gerais chamadas de “Atendimento Complementar” são limitadas a 20 doentes por dia;     

A população da Ajuda, tem no seu seio muitos idosos que naturalmente, nesta altura das suas vidas necessitam de mais cuidados de saúde. Em vez disso recebem,  pela  parte do governo  que têm o dever de  zelar pelo seu  bem estar, um tratamento que demonstra total  falta de respeito pela saúde de quem trabalhou uma vida inteira, certamente contribuiu com os seus impostos para a sociedade em geral e para ter direito ao sistema de saúde  e agora é tratado e posto á margem da sociedade.

O PCP/CDU tudo fará para que esta situação se altere.